Mercado fechará em 1 h 52 min
  • BOVESPA

    108.408,92
    +1.741,27 (+1,63%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.732,84
    -499,36 (-0,94%)
     
  • PETROLEO CRU

    87,79
    +2,36 (+2,76%)
     
  • OURO

    1.840,90
    +28,50 (+1,57%)
     
  • BTC-USD

    42.148,61
    +544,96 (+1,31%)
     
  • CMC Crypto 200

    999,50
    +4,75 (+0,48%)
     
  • S&P500

    4.588,60
    +11,49 (+0,25%)
     
  • DOW JONES

    35.460,14
    +91,67 (+0,26%)
     
  • FTSE

    7.589,66
    +26,11 (+0,35%)
     
  • HANG SENG

    24.127,85
    +15,07 (+0,06%)
     
  • NIKKEI

    27.467,23
    -790,02 (-2,80%)
     
  • NASDAQ

    15.193,75
    -12,25 (-0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2042
    -0,1029 (-1,63%)
     

Governo renova isenção de IPI na compra de veículos para taxistas e pessoas com deficiência

·2 min de leitura

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O presidente Jair Bolsonaro (PL) sancionou, em edição extra do Diário Oficial da União de 31 de dezembro, uma lei para renovar a isenção de IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) na aquisição de automóveis para taxistas e pessoas com deficiência.

"A medida aquece a indústria automobilística e faz justiça com os taxistas e as pessoas com deficiência", escreveu o presidente, por meio de seu perfil no Twitter.

Segundo a Secretaria-Geral da Presidência, a nova lei prorroga a isenção de IPI na compra de veículos novos até 31 de dezembro de 2026 e beneficia motoristas profissionais, taxistas, pessoas com deficiência física, visual, auditiva e mental severa ou profunda e pessoas com transtorno do espectro autista.

Dentre as novidades, segundo o governo, está a inclusão das pessoas com deficiência auditiva, as quais não eram previstas na legislação anterior.

Pela lei sancionada, passa a ser de R$ 200 mil, incluídos os tributos incidentes, o preço máximo do automóvel que poderá ser adquirido com isenção do IPI pela pessoa deficiente. O limite era de R$ 140 mil.

O presidente vetou dispositivo que ampliava a isenção para incluir na isenção os acessórios dos carros que não fossem de fábrica. O Planalto argumentou que não havia cálculo do impacto financeiro e medidas compensatórias.

O presidente também sancionou lei complementar que cria o MEI (microempreendedor individual) Caminhoneiro.

Pelo texto, transportadores autônomos de carga podem atuar como microempreendedores individuais mesmo com teto de faturamento de até R$ 251,6 mil. Para as demais categorias, o limite de ganho por ano aceito na inscrição como MEI é menor, de R$ 81 mil.

O projeto do MEI Caminhoneiro foi apresentado pelo senador Jorginho Mello (PL-SC), aliado de Bolsonaro. O presidente tem feito acenos à categoria que o ajudou a se eleger em 2018 e exerce pressão constante sobre o governo.

A medida veio no mesmo dia em que o presidente sancionou a lei que prorroga a desoneração da folha de pagamentos de 17 setores da economia até o fim de 2023.

Segundo o Palácio do Planalto, uma orientação do TCU (Tribunal de Contas da União) viabilizou que a desoneração fosse estendida sem a necessidade de uma compensação.

O presidente também acabou com incentivos fiscais a empresas do setor petroquímico, com o fim do Reiq (Regime Especial da Indústria Química) por meio de uma MP (medida provisória).

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos