Mercado fechará em 2 h 14 min
  • BOVESPA

    122.070,44
    +161,41 (+0,13%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.378,09
    -489,06 (-0,98%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,47
    +0,55 (+0,85%)
     
  • OURO

    1.835,40
    -2,20 (-0,12%)
     
  • BTC-USD

    56.425,80
    -818,49 (-1,43%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.506,80
    +1.264,12 (+520,90%)
     
  • S&P500

    4.156,35
    -32,08 (-0,77%)
     
  • DOW JONES

    34.293,71
    -449,11 (-1,29%)
     
  • FTSE

    6.947,99
    -175,69 (-2,47%)
     
  • HANG SENG

    28.013,81
    -581,89 (-2,03%)
     
  • NIKKEI

    28.608,59
    -909,71 (-3,08%)
     
  • NASDAQ

    13.357,00
    +0,25 (+0,00%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3538
    +0,0136 (+0,21%)
     

Governo regulamenta programa de socorro a estados e GO, MG, RN e RS podem aderir

BERNARDO CARAM
·2 minuto de leitura

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) editou decreto nesta terça-feira (20) para regulamentar as novas regras do Regime de Recuperação Fiscal, programa de socorro a estados em crise financeira. De acordo com o Tesouro Nacional, as mudanças podem beneficiar Goiás, Minas Gerais, Rio Grande do Norte e Rio Grande do Sul, que tentam aderir ao programa, além do Rio de Janeiro, que já faz parte. Em janeiro, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) sancionou o projeto que traz medidas voltadas a estados e municípios. O texto havia sido aprovado pelo Congresso no fim do ano passado. Para os entes com as finanças em situação crítica, foi reformulado o Regime de Recuperação Fiscal, que hoje tem a participação apenas do Rio de Janeiro. Estimativa preliminar do governo feita no início do ano indicava que apenas a adesão de Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Goiás teria potencial de suspender o pagamento de R$ 130 bilhões de dívidas com a União ao longo dos nove anos do programa. Hoje, o Regime de Recuperação Fiscal tem duração menor, de três anos, renováveis por mais três. Pela nova lei, o estado que entrar no Regime terá que adotar algumas medidas, como venda de estatais, fazer uma reforma da Previdência para servidores estaduais nos moldes das regras atuais do funcionalismo federal e redução de 20% dos benefícios fiscais em três anos. Segundo o Tesouro, as mudanças, agora regulamentadas pelo decreto, podem destravar adesões de estados ao programa. O órgão afirma que os candidatos precisam cumprir os requisitos previstos na lei e ressalta que a avaliação dos pedidos de entrada ainda dependem de portaria do governo para regulamentar as exigências. "Provavelmente, serão beneficiados com a mudança: Goiás, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte e Rio Grande do Sul", informou o ministério.