Mercado fechará em 16 mins
  • BOVESPA

    115.977,58
    -156,88 (-0,14%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.044,28
    +614,53 (+1,35%)
     
  • PETROLEO CRU

    86,13
    +2,50 (+2,99%)
     
  • OURO

    1.734,00
    +32,00 (+1,88%)
     
  • BTC-USD

    20.106,43
    +571,57 (+2,93%)
     
  • CMC Crypto 200

    456,34
    +10,91 (+2,45%)
     
  • S&P500

    3.781,29
    +102,86 (+2,80%)
     
  • DOW JONES

    30.251,20
    +760,31 (+2,58%)
     
  • FTSE

    7.086,46
    +177,70 (+2,57%)
     
  • HANG SENG

    17.079,51
    -143,32 (-0,83%)
     
  • NIKKEI

    26.992,21
    +776,42 (+2,96%)
     
  • NASDAQ

    11.602,50
    +316,75 (+2,81%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1648
    +0,0909 (+1,79%)
     

Governo reduz projeção de inflação para 6,3% e vê PIB maior neste ano

***ARQUIVO*** SÃO PAULO, SP, 08/09/2022, BRASIL - O ministro Paulo Guedes. (Foto Rivaldo Gomes/Folhapress)
***ARQUIVO*** SÃO PAULO, SP, 08/09/2022, BRASIL - O ministro Paulo Guedes. (Foto Rivaldo Gomes/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O Ministério da Economia reduziu de 7,2% para 6,3% sua estimativa de inflação para este ano. Para 2023, a projeção se manteve em 4,5%.

Quanto ao crescimento do PIB (Produto Interno Bruto), a pasta elevou a previsão de alta de 2% para 2,7% em 2022 e manteve a expectativa de avanço de 2,5% no próximo ano, como antecipado pelo jornal Folha de S.Paulo.

A revisão do desempenho do PIB é, segundo o chefe da Assessoria Especial de Estudos Econômicos, Rogério Boueri, reflexo da "pujança do mercado de trabalho, com a criação de novos empregos, do crescimento do setor de serviços, que manteve a tendência de crescimento verificada a partir do arrefecimento da pandemia, e do aumento de investimentos".

As projeções divulgadas nesta quinta-feira (15) estão no Boletim Macrofiscal, atualizado bimestralmente pela SPE (Secretaria de Política Econômica). Os dados anteriores haviam sido anunciados pela pasta em julho e são revisados periodicamente.

Após dois meses seguidos de deflação (queda de preços) puxada pela redução das alíquotas de ICMS sobre combustíveis e energia elétrica, o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) acumula alta de 8,73% em 12 meses.

Em agosto, o índice oficial de inflação do país recuou 0,36%, segundo dados divulgados pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) na última sexta-feira (9).

A nova estimativa do governo para a inflação para este ano é inferior ao dado divulgado em março, de 6,55%. A projeção mais baixa em 2022 incorpora o impacto de medidas legislativas aprovadas nos preços de combustíveis, energia elétrica, transportes e telecomunicações.

No fim de junho, o Congresso fixou um teto de 17% a 18% para a cobrança de ICMS sobre esses itens tidos como "essenciais", além de ter aprovado um corte de tributos federais sobre gasolina e etanol.

"A deflação dos últimos meses reflete principalmente a redução dos preços dos itens monitorados, como combustíveis, porém também observamos uma certa estabilização da inflação de serviços e de alimentação no domicílio", afirmou Boueri.

Segundo o chefe da Assessoria Especial de Estudos Econômicos, a revisão para baixo do IPCA "pode ou não" levar a uma redução do teto de gastos projetado para o ano que vem, no valor de R$ 1,8 trilhão, e a decisão dependerá do relator do PLOA (Projeto de Lei Orçamentária Anual) de 2023, encaminhado ao Congresso Nacional em 31 de agosto.

Boueri disse que o cálculo não foi feito pela pasta econômica, mas sugeriu que, em uma "conta de padeiro", a redução do teto que limita o gasto público para o próximo ano ficaria abaixo de R$ 18 bilhões, com o corte da projeção de inflação em menos de 1%.

O secretário de Política Econômica, Pedro Calhman, ressaltou também que a estimativa do governo se encontra abaixo da expectativa dos economistas do setor privado. Segundo o boletim Focus, divulgado pelo Banco Central na última segunda-feira (12), o consenso do mercado para a inflação caiu de 6,61% para 6,4% —a 11ª revisão para baixo consecutiva na pesquisa.

A previsão de 6,3% para o IPCA supera a meta a ser perseguida pelo BC neste ano. O valor fixado pelo CMN (Conselho Monetário Nacional) para 2022 é de 3,5% —com 1,5 ponto percentual de tolerância para mais ou para menos.

O BC já admite o estouro da meta de inflação pelo segundo ano consecutivo. Quando a projeção se confirmar, o presidente da autoridade monetária, Roberto Campos Neto, deverá escrever uma nova carta ao ministro da Economia explicando as razões para o descumprimento do objetivo.

A partir de 2024, o governo espera convergência da inflação para a meta de 3%.

A estimativa do Ministério da Economia para o INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor) passou de 7,41% para 6,54%. Esse índice é usado na correção do piso nacional do salário mínimo e de outros benefícios sociais.

Já a projeção da pasta para o IGP-DI (Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna) caiu de 11,51% para 9,44%. Esse índice tem uma abrangência maior para medir a alta dos preços, pois engloba também o setor atacadista e a construção civil.