Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.036,79
    +2.372,79 (+2,20%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.626,80
    -475,80 (-1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,74
    +0,25 (+0,31%)
     
  • OURO

    1.668,30
    -3,70 (-0,22%)
     
  • BTC-USD

    19.261,54
    +13,78 (+0,07%)
     
  • CMC Crypto 200

    443,49
    +0,06 (+0,01%)
     
  • S&P500

    3.585,62
    -54,85 (-1,51%)
     
  • DOW JONES

    28.725,51
    -500,09 (-1,71%)
     
  • FTSE

    6.893,81
    +12,22 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    17.222,83
    +56,93 (+0,33%)
     
  • NIKKEI

    25.937,21
    -484,89 (-1,84%)
     
  • NASDAQ

    11.058,25
    +22,75 (+0,21%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3079
    +0,0099 (+0,19%)
     

Governo reduz projeção de inflação para 6,3% e vê PIB maior neste ano

***ARQUIVO**SÃO PAULO, SP, 08.09.2022 - O ministro da Economia, Paulo Guedes, participa da #ABX22 Automotive Busines, em SP. (Foto: Rivaldo Gomes/Folhapress)
***ARQUIVO**SÃO PAULO, SP, 08.09.2022 - O ministro da Economia, Paulo Guedes, participa da #ABX22 Automotive Busines, em SP. (Foto: Rivaldo Gomes/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O Ministério da Economia reduziu de 7,2% para 6,3% sua estimativa de inflação para este ano. Para 2023, a projeção se manteve em 4,5%.

Quanto ao crescimento do PIB (Produto Interno Bruto), a pasta elevou a previsão de alta de 2% para 2,7% em 2022 e manteve a expectativa de avanço de 2,5% no próximo ano, como antecipado pela Folha.

As projeções divulgadas nesta quinta-feira (15) estão no Boletim Macrofiscal, atualizado bimestralmente pela SPE (Secretaria de Política Econômica). Os dados anteriores haviam sido anunciados pela pasta em julho e são revisados periodicamente.

Após dois meses seguidos de deflação (queda de preços) puxada pela redução das alíquotas de ICMS sobre combustíveis e energia elétrica, o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) acumula alta de 8,73% em 12 meses.

Em agosto, o índice oficial de inflação do país recuou 0,36%, segundo dados divulgados pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) na última sexta-feira (9).

A nova estimativa para a inflação para este ano é inferior ao dado divulgado em março, de 6,55%. A projeção mais baixa em 2022 incorpora o impacto de medidas legislativas aprovadas nos preços de combustíveis, energia elétrica, transportes e telecomunicações.

No fim de junho, o Congresso fixou um teto de 17% a 18% para a cobrança de ICMS sobre esses itens tidos como "essenciais", além de ter aprovado um corte de tributos federais sobre gasolina e etanol.

A expectativa de 6,3% para o IPCA supera a meta a ser perseguida pelo Banco Central neste ano. O valor fixado pelo CMN (Conselho Monetário Nacional) para 2022 é de 3,5% -com 1,5 ponto percentual de tolerância para mais ou para menos.

A partir de 2024, o governo espera convergência da inflação para a meta de 3%.

A estimativa do Ministério da Economia para o INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor) passou de 7,41% para 6,54%. Esse índice é usado na correção do piso nacional do salário mínimo e de outros benefícios sociais.

Já a projeção da pasta para o IGP-DI (Índice Geral de Preços - Disponibilidade Interna) caiu de 11,51% para 9,44%. Esse índice tem uma abrangência maior para medir a alta dos preços, pois engloba também o setor atacadista e a construção civil.