Mercado fechará em 3 h 38 min
  • BOVESPA

    103.995,27
    +2.079,82 (+2,04%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.333,60
    +634,88 (+1,28%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,18
    +2,00 (+3,02%)
     
  • OURO

    1.789,90
    +13,40 (+0,75%)
     
  • BTC-USD

    58.512,31
    -261,36 (-0,44%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.491,10
    +22,02 (+1,50%)
     
  • S&P500

    4.631,98
    +64,98 (+1,42%)
     
  • DOW JONES

    34.870,19
    +386,47 (+1,12%)
     
  • FTSE

    7.130,96
    +71,51 (+1,01%)
     
  • HANG SENG

    23.658,92
    +183,66 (+0,78%)
     
  • NIKKEI

    27.935,62
    +113,86 (+0,41%)
     
  • NASDAQ

    16.361,75
    +211,25 (+1,31%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3699
    -0,0001 (-0,00%)
     

Governo reduz previsão de rombo fiscal em 2021 de R$ 139,4 bi para R$ 95,8 bi

·3 min de leitura
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 21.08.2019 - Still de mão segurando cédulas de real, moeda oficial brasileira. (Foto: Gabriel Cabral/Folhapress)
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 21.08.2019 - Still de mão segurando cédulas de real, moeda oficial brasileira. (Foto: Gabriel Cabral/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O Ministério da Economia revisou as projeções de receitas e despesas para este ano e, pela primeira vez, passou a prever um rombo inferior a R$ 100 bilhões para as contas federais no encerramento de 2021.

Pelos novos cálculos da pasta, divulgados nesta segunda-feira (22), o governo deve fechar o ano com um déficit primário de R$ 95,8 bilhões. A estimativa anterior, feita em setembro, apontava para um rombo de R$ 139,4 bilhões.

A redução de gastos previstos para o ano deve abrir uma margem de R$ 6 bilhões para novas despesas ainda em 2021. Isso permitirá uma liberação de recursos para ministérios, ainda não detalhados pelo governo.

De acordo com a pasta, o resultado é fruto de uma melhora da arrecadação, impulsionada pela recuperação da atividade após o período mais agudo da pandemia do coronavírus.

Pelo lado das receitas, o governo estima um aumento de R$ 57,7 bilhões na arrecadação, se comparado com a projeção anterior. Nessa previsão, estão contidos aumentos nas receitas de tributos administrados pela Receita Federal (R$ 21,8 bilhões), nas contribuições previdenciárias (R$ 7,3 bilhões) e exploração de recursos naturais (R$ 6 bilhões). Há ainda uma previsão de ganho de R$ 17,7 bilhões com dividendos.

Nas despesas, o governo agora prevê a redução de R$ 4 bilhões em gastos, em relação ao estimado há dois meses. Há queda, por exemplo, em abono e seguro desemprego (menos R$ 1,6 bilhão), folha de pagamentos (menos R$ 201 milhões) e subsídios (menos R$ 192 milhões).

A conta das despesas não ficou ainda menor porque o governo autorizou a liberação de R$ 1,4 bilhão para a compra de vacinas contra a Covid-19.

"É um consolidado de informações que mostra que os resultados fiscais estão caminhando no sentido da consolidação. As contas fiscais estão dentro da trajetória que se esperava", disse o secretário do Tesouro e Orçamento, Esteves Colnago.

A equipe econômica prevê uma redução no indicador da dívida bruta do governo de 88,8% do PIB (Produto Interno Bruto) em 2020 para 81,7% no fim deste ano.

O cenário, segundo a pasta, pode sofrer alteração caso o Congresso aprove a PEC (Proposta de Emenda à Constituição) que limita gastos com precatórios —dívidas do governo reconhecidas pela Justiça e sem possibilidade de recurso. A medida também promove uma alteração na fórmula de cálculo do teto de gastos, que limita o crescimento das despesas federais à variação da inflação.

A proposta deve abrir um espaço de R$ 106 bilhões nas contas de 2022, o que permitirá a ampliação de gastos com o Auxílio Brasil e emendas parlamentares —recursos para projetos e obras indicados por deputados e senadores.

Com a previsão de mais despesas, o Ministério da Economia afirma que a dívida bruta pode encerrar 2022 em 81,7% do PIB se a PEC for aprovada, contra a previsão atual de 80,5%.

Em entrevista à imprensa, Colnago disse que o governo tem estudado formas de compensação viabilizar um Auxílio Brasil definitivo, mas ressaltou que ainda não há uma fonte definida. Sem esse respaldo, o governo apresentou o novo benefício no valor de R$ 400, mas em caráter temporário, até o fim de 2022.

"O que nos falta tecnicamente para que o programa seja permanente é uma fonte permanente. A gente não tem hoje uma fonte para que essa despesa seja permanente", disse.

A Lei de Diretrizes Orçamentárias exige a apresentação de uma compensação para que o programa social seja implementado de forma definitiva. O secretário afirmou que a pasta é contra alterar essa exigência.

A ideia de tornar o programa permanente vem ganhando força, mas os senadores ainda não detalharam de que forma o plano seria implementado.

Segundo Colnago, se o Congresso aprovasse a reforma do Imposto de Renda, haveria base de compensação para um benefício médio de aproximadamente R$ 300. Ainda seria necessário, portanto, encontrar outras fontes para atingir o patamar de R$ 400.

Entre as possibilidades, está o corte de incentivos tributários. Porém, tanto a reforma do IR quanto a redução de subsídios estão com a tramitação travada e sem previsão de votação.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos