Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.669,90
    -643,10 (-0,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.627,67
    -560,43 (-1,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    59,34
    +0,02 (+0,03%)
     
  • OURO

    1.744,10
    -0,70 (-0,04%)
     
  • BTC-USD

    59.788,05
    +399,87 (+0,67%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.235,89
    +8,35 (+0,68%)
     
  • S&P500

    4.128,80
    +31,63 (+0,77%)
     
  • DOW JONES

    33.800,60
    +297,00 (+0,89%)
     
  • FTSE

    6.915,75
    -26,47 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    28.698,80
    -309,30 (-1,07%)
     
  • NIKKEI

    29.768,06
    +59,06 (+0,20%)
     
  • NASDAQ

    13.811,00
    -18,50 (-0,13%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7597
    +0,1248 (+1,88%)
     

Governo recebeu 105 mil denúncias de violência contra mulher em 2020

DANIELLE BRANT
·2 minuto de leitura
*ARQUIVO* BRASILIA, DF,  BRASIL,  09-11-2020 - Damares Alves. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
*ARQUIVO* BRASILIA, DF, BRASIL, 09-11-2020 - Damares Alves. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos anunciou neste domingo (7), véspera do Dia da Mulher, que o governo recebeu 105.671 denúncias de violência contra a mulher em 2020.

Os dados foram informados em coletiva que contou com a participação da ministra Damares Alves.

O número não pode ser comparado com a base de anos anteriores porque, segundo o ministério, houve uma mudança de metodologia que unificou as centrais de atendimento gratuitas Disque 100 e o Ligue 180, que recebem, respectivamente, denúncias de violações de direitos humanos e de violência contra a mulher.

O ministério informou que o objetivo da unificação foi criar uma base de dados única que permite adotar ações de enfrentamento à violência de gênero.

"Nós acreditamos que não é mais hora de se fazer política pública em cima de achismo", afirmou Damares.

"Políticas públicas que são inventadas da cabeça de um gestor. Esses dados agora vêm inclusive para que o Parlamento reveja o critério do Orçamento da União. Quem mais está sofrendo nesta nação? Onde nós temos que atuar de forma efetiva com recurso, com investimento, com dinheiro?"

A ministra afirmou que o painel também dá um recado para as igrejas. "Olha onde nós temos que atuar mais como agente de transformação da sociedade", disse.

O banco de dados detalha as espécies de violações registradas. No ano passado, 75.753 denúncias diziam respeito à violência doméstica e familiar contra a mulher. Entre as principais estavam ameaça ou coação, constrangimento, agressão e tortura psíquica.

Na coletiva, a ministra foi questionada sobre aborto e negou qualquer intenção do governo de alterar as regras que garantem à mulher o direito a aborto em caso de estupro.

"Não há nenhuma proposta do governo federal para mudar essa legislação. Nenhuma", afirmou.

"Existe uma legislação no Brasil que garante à mulher, no caso de estupro, direito ao aborto, inclusive fornecido pela rede SUS. O sistema de saúde está pronto para isso", continuou.

"O Estado é obrigado a dar o aborto para esta mulher. Mas o Estado também é obrigado a cuidar daquela mulher que, por um acaso, foi estuprada e não quer abortar. Não existe, por parte deste governo, uma campanha para obrigar a mulher estuprada a ter o seu filho. Onde vocês viram isso?"

Damares afirmou ainda ver "muita gente preocupada com o aborto". "Eu tenho que me preocupar é com o estupro. Meu papel é garantir a proteção da mulher."

As denúncias recebidas são encaminhadas para órgãos da rede de proteção do governo, de assistência social e de persecução penal, de acordo com o ministério.