Mercado fechará em 1 h 53 min
  • BOVESPA

    109.628,58
    -512,06 (-0,46%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.094,93
    +220,02 (+0,41%)
     
  • PETROLEO CRU

    74,64
    -1,24 (-1,63%)
     
  • OURO

    1.881,40
    -49,40 (-2,56%)
     
  • BTC-USD

    23.552,75
    -275,52 (-1,16%)
     
  • CMC Crypto 200

    538,67
    +1,82 (+0,34%)
     
  • S&P500

    4.167,62
    -12,14 (-0,29%)
     
  • DOW JONES

    34.094,77
    +40,83 (+0,12%)
     
  • FTSE

    7.901,80
    +81,64 (+1,04%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.802,50
    -44,25 (-0,34%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5587
    +0,0690 (+1,26%)
     

Haddad defende reformas de tributos sobre consumo e sobre renda aprovadas neste ano

Ministro da Fazenda do governo Lula, Fernando Haddad

Por Bernardo Caram

(Reuters) - O governo busca aprovar a reforma de tributos que incidem sobre o consumo ainda neste semestre e quer votar a reforma do Imposto de Renda no segundo semestre deste ano, disse nesta terça-feira o ministro da Fazenda, Fernando Haddad.

“No segundo semestre, nós queremos votar uma reforma tributária sobre a renda para desonerar as camadas mais pobres do imposto e onerar quem hoje não paga imposto, muita gente no Brasil não paga imposto, precisamos reequilibrar o sistema tributário para melhorar a distribuição de renda”, disse.

Em painel do Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça, Haddad afirmou que se as receitas e despesas federais voltarem ao nível pré-pandemia, o governo conseguirá zerar o déficit primário em dois anos.

"Pretendemos voltar despesas e receitas ao mesmo patamar pré-crise da pandemia, que é 18,7% (do PIB). Se nós conseguirmos isso em dois anos, a gente consegue zerar o déficit", afirmou.

O nível de 18,7% do PIB mencionado pelo ministro, no entanto, refere-se ao nível de receita do governo federal em 2022, segundo dados do Ministério da Fazenda. Em 2019, antes da pandemia, o patamar estava em 18,2% do PIB.

Na apresentação, Haddad afirmou que a extrema direita se organizou no Brasil, se viabilizou eleitoralmente em períodos recentes e governou por quatro anos, ressaltando que não é confortável para o governo ter agora uma oposição extremista.

Na avaliação do ministro, porém, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva fez uma coalizão ampla de forças e conta com uma base de sustentação que, apesar de relativa fragilidade por conta da forma de organização partidária no Brasil, “é robusta o suficiente” para enfrentar os atuais desafios.

(Por Bernardo Caram em Brasília)