Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.282,67
    -781,69 (-0,69%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.105,71
    -358,56 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,95
    +0,65 (+0,89%)
     
  • OURO

    1.750,60
    +0,80 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    42.021,25
    -462,93 (-1,09%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.067,20
    -35,86 (-3,25%)
     
  • S&P500

    4.455,48
    +6,50 (+0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.798,00
    +33,18 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.051,48
    -26,87 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    24.192,16
    -318,82 (-1,30%)
     
  • NIKKEI

    30.248,81
    +609,41 (+2,06%)
     
  • NASDAQ

    15.319,00
    +15,50 (+0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2556
    +0,0306 (+0,49%)
     

Governo quer queda de 10% na tarifa do Mercosul em 6 meses, diz Guedes

·2 minuto de leitura
Governo quer queda de 10% na tarifa do Mercosul em 6 meses, diz Guedes

BRASÍLIA (Reuters) - O governo quer em seis meses baixar em 10% a tarifa externa comum (TEC) do Mercosul, disse nesta quinta-feira o ministro da Economia, Paulo Guedes, defendendo que a investida será útil para barrar o aumento da inflação.

"Estamos atrasados até. É até bom que ajuda a travar um pouco essa alta de inflação que está havendo aí, a gente dá uma travada. É uma hora de aumentar a oferta de alimentos, aumentar a oferta de aço, de material de construção, tudo isso aí dá uma acalmada no setor", disse ele, ao participar de audiência da Comissão de Relações Exteriores do Senado.

Segundo Guedes, a redução da TEC representa um passo inicial modesto, mas necessário para sinalizar para os parceiros a intenção do governo brasileiro de prosseguir com maior abertura comercial.

"Eu estou tão envergonhado de fazer esse pequeno passo só de 10%. Mas é atitude de respeito à indústria nacional, dizendo 'olha, levanta do sofá e começa a correr na esteira um pouquinho só para não ficar sentado, só para não engordar e perder competitividade'. Que aliás é o que tem acontecido ao longo dos últimos 30, 40 anos", disse.

No âmbito do Mercosul, ele afirmou que o Uruguai concorda com o Brasil quanto à redução das tarifas e também na defesa de liberdade para os integrantes do bloco fazerem acordos, enquanto a Argentina é contra e o Paraguai "está em cima do muro".

O ministro destacou que o governo não quer que a cláusula de consenso no Mercosul seja de veto, afirmando que o país é grande demais e com muitos desafios para ser prisioneiro de um arranjo institucional ideológico e que não se moderniza.

Em abril, o ministro já tinha dito que o Brasil havia feito proposta para diminuição de 10% na tarifa.

Guedes lembrou que desde 2011 a relação entre as trocas brasileiras com o Mercosul e o comércio do país com o resto do mundo não supera 10% e que, para o bloco ter importância, é preciso que se modernize.

"Brasil está com 13%, 14% de tarifa média, três vezes tarifa do mundo", disse.

INVESTIMENTO DO NDB

O ministro indicou, durante sua fala, que o Novo Banco de Desenvolvimento (NDB), o banco do Brics, irá dar um salto para quase 5 bilhões de dólares investidos no país, ante 700 milhões de dólares "nos últimos quatro, cinco anos".

A cifra contempla, segundo Guedes, cerca de 1,5 bilhão de dólares "em projeto verde que vem aí", além de "3 ou 4 bilhões que já estão encomendados".

Atualmente, o NDB é presidido por Marcos Troyjo, ex-secretário especial de Comércio Exterior do Ministério da Economia.

Guedes defendeu que bancos como o NDB, BID e Banco Mundial têm por vocação básica investir na construção de infraestrutura transnacional. Falando de projetos desse tipo, o ministro disse que a estrada para ligar Georgetown, na Guiana, a Boa Vista, em Roraima, é "certamente prioridade".

(Por Marcela Ayres)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos