Mercado abrirá em 2 h 44 min
  • BOVESPA

    114.064,36
    +1.782,08 (+1,59%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.464,27
    +125,93 (+0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,36
    +0,06 (+0,08%)
     
  • OURO

    1.754,20
    +4,40 (+0,25%)
     
  • BTC-USD

    42.692,82
    -1.103,50 (-2,52%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.057,01
    -51,91 (-4,68%)
     
  • S&P500

    4.448,98
    +53,34 (+1,21%)
     
  • DOW JONES

    34.764,82
    +506,50 (+1,48%)
     
  • FTSE

    7.049,57
    -28,78 (-0,41%)
     
  • HANG SENG

    24.192,16
    -318,82 (-1,30%)
     
  • NIKKEI

    30.248,81
    +609,41 (+2,06%)
     
  • NASDAQ

    15.221,00
    -82,50 (-0,54%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2205
    -0,0045 (-0,07%)
     

Governo quer incentivar participação do setor privado na saúde, serviços seguem gratuitos, diz Economia

·1 minuto de leitura
.

BRASÍLIA (Reuters) - Em nota divulgada nesta quarta-feira, o Ministério da Economia afirmou que a decisão do governo de publicar decreto incluindo as Unidades Básicas de Saúde no Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) foi tomada a pedido do Ministério da Saúde, com apoio da pasta econômica, mirando novo modelo de atendimento à população em um momento de restrição fiscal.

Os serviços de saúde seguirão sendo 100% gratuitos para a população, ressaltou o ministério.

"A avaliação conjunta é que é preciso incentivar a participação da iniciativa privada no sistema para elevar a qualidade do serviço prestado ao cidadão, racionalizar custos, introduzir mecanismos de remuneração por desempenho, novos critérios de escala e redes integradas de atenção à saúde em um novo modelo de atendimento", afirmou o ministério.

Mais cedo, a secretária especial do PPI, Martha Seillier, afirmou à Reuters que o decreto --publicado na terça-feira, gerando muitas críticas nas redes sociais-- não visa a privatização do SUS.

Segundo o Ministério da Economia, os estudos autorizados pelo decreto devem ser focados em arranjos que envolvam a infraestrutura, os serviços médicos e os serviços de apoio sob a gestão de um único prestador de serviços.

(Por Isabel Versiani)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos