Mercado fechado

Governo quer exigir carteira de vacinação em entrevistas de emprego e matrículas

Carteira será obrigatória para a matricula de crianças nas escolas de todo País. (Foto: Divulgação/Ministério da Saúde)

O Ministério da Saúde pretende sugerir que entrevistas de admissão ou de demissão de empregados passem a analisar a atualização da carteira de vacinação. Um projeto de lei com a proposta deverá ser enviado ao Congresso, na tentativa de reverter os baixos índices de cobertura vacinal na população.

As informações são da Agência Estado.

O texto do PL deixará clara a necessidade da apresentação da carteira também no momento da matrícula em escolas. “Hoje a regra existe em alguns municípios”, disse o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta. “A ideia é deixar clara a exigência em todo o País”.

Mandetta afirmou que a proposta para tornar obrigatória a apresentação do certificado de vacinação no momento da matrícula não impedirá o registro da criança na escola, mas poderia trazer algumas implicações para os responsáveis. Uma das propostas seria encaminhar o caso para o conselho tutelar.

SEM CERTIFICADO

Na terça-feira (19), o Brasil reconheceu a perda do certificado de eliminação do sarampo, dado pela Opas (Organização Pan-Americana de Saúde) em 2016, depois da confirmação de um caso da infecção no Pará, ocorrido no dia 23 de fevereiro. A constatação comprovou a transmissão da doença por um período superior a um ano no País, condição em que a Opas retira o status de país livre da doença.

O retorno do sarampo no País teve início no ano passado com os registros dos primeiros casos na região Norte. Roraima e Amazonas receberam um grande número de refugiados da Venezuela, país que já enfrentava um surto da doença.

Leia mais
Bolsonaro diz que fim de visto para turistas beneficiará economia

Contudo, especialistas são unânimes em afirmar que, se a vacinação da população brasileira fosse adequada, não haveria condições de o ciclo da doença se estabelecer. Só em 2018, foram confirmados 10.326 casos, enquanto este ano já foram confirmadas 48 infecções.

Diante desses índices, o governo de Jair Bolsonaro (PSL) reconhece a urgência em melhorar todos os indicadores de cobertura. Uma campanha do Ministério da Saúde sobre a importância da vacinação deverá ser veiculada nos próximos meses.