Mercado fechado
  • BOVESPA

    116.464,06
    -916,43 (-0,78%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.053,56
    -72,95 (-0,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,78
    +0,17 (+0,32%)
     
  • OURO

    1.849,60
    -1,30 (-0,07%)
     
  • BTC-USD

    32.325,87
    -8,48 (-0,03%)
     
  • CMC Crypto 200

    653,42
    +6,10 (+0,94%)
     
  • S&P500

    3.849,62
    -5,74 (-0,15%)
     
  • DOW JONES

    30.937,04
    -22,96 (-0,07%)
     
  • FTSE

    6.654,01
    +15,16 (+0,23%)
     
  • HANG SENG

    29.391,26
    -767,75 (-2,55%)
     
  • NIKKEI

    28.546,18
    0,00 (0,00%)
     
  • NASDAQ

    13.561,25
    +75,75 (+0,56%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5142
    +0,0034 (+0,05%)
     

Governo quer acabar com parcelamento ‘sem juros’? Entenda

Marcus Couto
·1 minuto de leitura
Fim do "parcelamento sem juros"? (Foto: Getty Images)
Fim do "parcelamento sem juros"? (Foto: Getty Images)

Um novo projeto de lei que pode ser votado ainda neste ano da Câmara dos Deputados quer acabar com o anúncio de “parcelamento sem juros” ao consumidor. As informações são do portal de notícias UOL.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Finanças no Google News

Inicialmente, a ideia era que o texto continuasse permitindo o anúncio de parcelamento sem juros mediante pagamento com cartão de crédito, mas agora o governo articula para incluir até essa modalidade na proibição.

Leia também:

Mas por que o governo colocou essa prática, tão comum e conhecida do comércio brasileiro, na mira?

Vale lembrar que o texto não proíbe o parcelamento no cartão, que continuaria existindo, em suas diversas formas. O que acabaria seria o anúncio de parcelamento “sem juros”.

Isso porque, no entendimento dos autores do projeto, essa seria um tipo de propaganda enganosa, já que o valor do parcelamento sempre seria incorporado ao preço final e repassado ao consumidor, de uma forma ou de outra.

Instituições de pagamento ouvidas pelo UOL rebatem, e dizem que essa oferta é lícita e parte de uma estratégia de mercado consagrada, e que é sim possível absorver o custo do crédito, não caracterizando como propagada enganosa.

O projeto faz parte de uma estratégia contra o “super endividamento” da população brasileira, assunto comum entre economistas.

Assine agora a newsletter Yahoo em 3 Minutos

Siga o Yahoo Finanças no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube