Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.880,82
    +1.174,91 (+0,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.219,26
    +389,95 (+0,80%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,51
    +1,69 (+2,65%)
     
  • OURO

    1.844,00
    +20,00 (+1,10%)
     
  • BTC-USD

    48.661,93
    -1.543,65 (-3,07%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,33
    +39,77 (+2,93%)
     
  • S&P500

    4.173,85
    +61,35 (+1,49%)
     
  • DOW JONES

    34.382,13
    +360,68 (+1,06%)
     
  • FTSE

    7.043,61
    +80,28 (+1,15%)
     
  • HANG SENG

    28.027,57
    +308,90 (+1,11%)
     
  • NIKKEI

    28.084,47
    +636,46 (+2,32%)
     
  • NASDAQ

    13.398,00
    +297,75 (+2,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4040
    -0,0085 (-0,13%)
     

Governo publica decreto de privatização dos Correios

·1 minuto de leitura
Correios

SÃO PAULO (Reuters) - O governo federal publicou nesta quarta-feira decreto que inclui os Correios no Programa Nacional de Desestatização, estabelecendo o BNDES como responsável pela execução e o acompanhamento do processo.

O decreto inclui a venda do controle acionário da empresa e a concessão dos serviços postais de envio de cartas, impressos, encomendas e telegrama.

Segundo o texto, a desestatização está condiciona à "aprovação, pelo Congresso Nacional, do marco legal dos serviços postais".

O governo tem expectativa de realizar o leilão dos Correios no próximo ano. A modelagem da venda da companhia deve ser concluída em agosto, após a primeira fase dos estudos de desestatização ser concluída em meados de março.

O Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) aponta que os Correios investiram 300 milhões de reais em 2020 e que a necessidade de investimento para este ano seria de 1,7 bilhão de reais. Para 2025, a conta chega a 2,6 bilhões de reais. A fatia de mercado da empresa nos últimos anos, segundo o levantamento do PPI, caiu de 48% em 2017 para 43% em 2019.

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) dos Correios em 2020 somou 988 milhões de reais, alta de 46% sobre 2019. A margem cresceu de 3,7% para 5,7%. A receita líquida, porém, recuou 6% no período, a 17,7 bilhões de reais.

(Por Alberto Alerigi Jr.)