Mercado abrirá em 7 h 52 min
  • BOVESPA

    111.878,53
    +478,62 (+0,43%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    43.674,83
    +779,20 (+1,82%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,28
    0,00 (0,00%)
     
  • OURO

    1.838,50
    +8,30 (+0,45%)
     
  • BTC-USD

    19.090,60
    +9,25 (+0,05%)
     
  • CMC Crypto 200

    374,80
    +9,89 (+2,71%)
     
  • S&P500

    3.669,01
    +6,56 (+0,18%)
     
  • DOW JONES

    29.883,79
    +59,87 (+0,20%)
     
  • FTSE

    6.463,39
    +78,66 (+1,23%)
     
  • HANG SENG

    26.680,62
    +148,04 (+0,56%)
     
  • NIKKEI

    26.811,91
    +10,93 (+0,04%)
     
  • NASDAQ

    12.480,00
    +25,75 (+0,21%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3639
    +0,0441 (+0,70%)
     

Governo prorroga Gabinete de Intervenção Federal no RJ até 2021

Pedro Rafael Vilela - Repórter da Agência Brasil
·1 minuto de leitura

O presidente Jair Bolsonaro determinou a prorrogação, até dezembro de 2021, do Gabinete de Intervenção Federal no Rio de Janeiro. A previsão era de que a estrutura, que conta com militares e servidores comissionados, fosse encerrada em dezembro deste ano. Segundo a Secretaria Geral da Presidência da República, a pandemia de covid-19 atrasou os trabalhos de prestação de contas do gabinete, e a prorrogação das atividades não deve acarretar aumento de gastos públicos.

"A proposta fundamenta-se na necessidade de realizar a correta prestação de contas e receber bens e serviços que sofreram atrasos inesperados, em decorrência da pandemia de covid-19. A medida não causará impacto econômico, em razão de os recursos estarem alocados em programação orçamentária já prevista", informou a pasta, em nota. O decreto do presidente deve ser publicado na edição da próxima segunda-feira (23) do Diário Oficial da União (DOU).

A intervenção federal na área de segurança pública no Rio de Janeiro foi decretada no dia 16 de janeiro de 2018, pelo então presidente Michel Temer, após o estado declarar estado de calamidade pública no setor em função de uma grave crise fiscal - que paralisou investimentos e até pagamentos de salários. Os trabalhos duraram até o dia 31 de dezembro do mesmo ano, mas a estrutura foi mantida para que o governo federal pudesse concluir a aquisição e repasse de equipamentos e veículos para o governo estadual, como armas e helicópteros. O interventor nomeado por Temer para comandar a área de segurança pública no estado do Rio de Janeiro foi o general de Exército Walter Braga Netto, atual ministro-chefe da Casa Civil.