Mercado abrirá em 5 h 42 min
  • BOVESPA

    122.515,74
    +714,95 (+0,59%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.869,48
    +1,16 (+0,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,16
    -0,10 (-0,14%)
     
  • OURO

    1.812,50
    -9,70 (-0,53%)
     
  • BTC-USD

    38.479,68
    -1.813,20 (-4,50%)
     
  • CMC Crypto 200

    931,86
    -29,03 (-3,02%)
     
  • S&P500

    4.387,16
    -8,10 (-0,18%)
     
  • DOW JONES

    34.838,16
    -97,31 (-0,28%)
     
  • FTSE

    7.082,61
    +0,89 (+0,01%)
     
  • HANG SENG

    26.163,76
    -72,04 (-0,27%)
     
  • NIKKEI

    27.641,83
    -139,19 (-0,50%)
     
  • NASDAQ

    14.983,00
    +30,25 (+0,20%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1192
    -0,0249 (-0,41%)
     

Governo propõe taxar dividendos em 20% e unificar alíquota de 15% para investimentos

·4 minuto de leitura
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 20.05.2021 - O ministro da Economia, Paulo Guedes, durante entrevista à Folha de São Paulo em seu gabinete, em Brasília. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 20.05.2021 - O ministro da Economia, Paulo Guedes, durante entrevista à Folha de São Paulo em seu gabinete, em Brasília. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - A proposta de reforma tributária entregue nesta sexta-feira (25) pelo governo ao Congresso propõe uma cobrança de 20% de Imposto de Renda sobre dividendos (parte do lucro distribuído pelas empresas a acionistas), acabando com uma isenção prevista em lei há 25 anos.

A cobrança de Imposto de Renda seria aplicada na fonte e contribuiria para compensar outras mudanças apresentadas (como o aumento da isenção para pessoa física e a diminuição de alíquotas para empresas).

A previsão é que a arrecadação federal com a tributação de dividendos cresça R$ 18,5 bilhões já em 2022. Em 2023, o aumento seria de R$ 54,9 bilhões. Em 2024, R$ 58,15 bilhões.

O governo afirma que a proposta buscou um impacto final neutro na arrecadação federal. As receitas da União cresceriam em pouco menos de R$ 1 bilhão no primeiro ano.

De acordo com o Ministério da Economia, a tributação de dividendos deixaria o sistema mais justo ao evitar que os mais ricos deixem de pagar imposto em seus investimentos.

"O bilionário recebe dividendos todo ano e paga zero sobre dividendo", afirmou o ministro da Economia, Paulo Guedes, em comissão do Congresso nesta sexta.

Segundo o governo, a medida também geraria um incentivo ao reinvestimento dos lucros por parte das empresas -já que a distribuição passaria a ser tributada.

Para Guedes, a mudança não gera problemas também porque o país está em trajetória de crescimento.

"É um ganha-ganha: o Brasil cresce mais rápido; quem tem capital ganha, porque estão subindo o valor das empresas brasileiras, estão pagando mais dividendos; e têm também que pagar os impostos", afirma.

Além disso, o governo afirma que a não tributação de lucros e dividendos cria atualmente uma distorção na economia porque estimula a pejotização no mercado de trabalho. O fenômeno ocorre quando pessoas físicas criam empresas em vez de firmarem contratos de trabalho.

Para evitar que pequenos empresários sejam impactados de maneira mais forte pela medida, o governo propõe uma isenção para até R$ 20 mil por mês para microempresas e empresas de pequeno porte.

"Para evitar que o dentista e o médico fechem os seus consultórios, não precisam fechar, mas estamos botando 20% acima disso. Então, se ganhar R$ 25 mil, aí paga sobre esse excesso de R$ 5 mil. Para proteger justamente o dentista, o pequeno, o médico da vizinhança, da comunidade. Eles estão protegidos, mas as grandes empresas, é inadmissível", afirmou Guedes.

Paralelamente, a proposta extingue os juros sobre capital próprio (os JCP). Esses instrumentos de remuneração a acionistas foram criados no Brasil em 1996 e dão à empresa a vantagem de serem computados como despesas. Ou seja, apesar de os acionistas serem tributados ao receberem os recursos, os JCP geravam um benefício para a empresa.

"A prática mostrou que esse não era um bom instrumento, com benefício tributário sem contrapartida econômica. Então é mais eficiente baixar a alíquota de IRPJ [Imposto de Renda de Pessoa Jurídica] em vez de conceder esse benefício", diz Isaías Coelho, assessor especial do Ministério da Economia.

O aumento na arrecadação com o fim do JCP seria de R$ 2,75 bilhões em 2022 e cresceria para R$ 7,18 bilhões em 2023 e para R$ 7,6 bilhões em 2024.

Outros instrumentos financeiros, como as letras de crédito e certificados de recebíveis dos setores imobiliário e agrícola (LCI, LCA, CRI e CRA), tiveram isenção mantida.

Apesar de Guedes ter buscado nas discussões o fim da isenção nesses casos afirmando que os investidores acabam beneficiados, decidiu-se pela manutenção com a justificativa da importância desses setores na atividade econômica.

"O governo resolveu manter o incentivo ao fomento e crédito dos setores imobiliário e agrícola, tendo em vista a importância para a economia nacional", afirmou Fernando Mombelli, coordenador-geral de Tributação da Receita Federal.

Também foi proposta no texto a unificação em 15% da alíquota aplicada a investimentos financeiros em ativos de renda fixa. Hoje, há um escalonamento de 15% a 22,5% conforme o prazo de resgate (quanto maior o tempo investido, menor o imposto).

Segundo o governo, o objetivo é beneficiar pessoas de menor renda que têm menos condições de deixar o dinheiro investido por prazos muito longos, dando mais liberdade para elas aplicarem ou retirarem os recursos.

Os fundos de investimentos também passarão por mudanças. Além da alíquota única de 15% independentemente do prazo de aplicação, haverá mudança no chamado "come-cotas", uma antecipação do pagamento de impostos que ocorre em maio e novembro.

O governo propôs extinguir o come-cotas de maio, para que ocorra uma arrecadação anual. Os fundos fechados, usados por pessoas mais ricas, passariam a pagar o come-cotas em novembro --alinhando a regra à mesma a ser aplicada aos fundos abertos.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos