Mercado abrirá em 7 h 42 min
  • BOVESPA

    112.486,01
    +1.576,40 (+1,42%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.684,86
    +1.510,80 (+3,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,38
    -0,17 (-0,21%)
     
  • OURO

    1.775,20
    +29,20 (+1,67%)
     
  • BTC-USD

    17.162,39
    +273,19 (+1,62%)
     
  • CMC Crypto 200

    406,91
    +6,22 (+1,55%)
     
  • S&P500

    4.080,11
    +122,48 (+3,09%)
     
  • DOW JONES

    34.589,77
    +737,24 (+2,18%)
     
  • FTSE

    7.573,05
    +61,05 (+0,81%)
     
  • HANG SENG

    18.895,51
    +298,28 (+1,60%)
     
  • NIKKEI

    28.281,43
    +312,44 (+1,12%)
     
  • NASDAQ

    12.046,75
    +4,50 (+0,04%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4083
    +0,0118 (+0,22%)
     

Governo prevê reajuste de 6% para aposentadorias do INSS em 2023

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A nova previsão de inflação do governo federal aponta reajuste de 6% nas aposentadorias do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) em 2023. O INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor), usado para corrigir salários e benefícios no país, deve fechar o ano menor do que o previsto anteriormente pela equipe econômica.

O índice final a ser aplicado, entretanto, só será conhecido em 10 de janeiro, quando o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) divulgará a inflação de 2022. Com o reajuste previsto em 6%, o teto do INSS chegaria a R$ 7.512,45. Já o salário mínimo ficaria em cerca de R$ 1.302 com a aplicação da inflação estimada em 6% mais um aumento real de 1,3% ou 1,4%, conforme prevê a equipe de transição do governo Lula.

O Ministério da Economia também piorou a estimativa de alta do PIB (Produto Interno Bruto) em 2023 para 2,1%, contra previsão anterior de 2,5%.

Veja para quanto pode ir a aposentadoria do INSS em 2023

Valor benefício em 2022 - Para quanto pode ir em 2023

1.212 - 1.302

1.300 - 1.378

1.400 - 1.484

1.500 - 1.590

1.600 - 1.696

1.700 - 1.802

1.800 - 1.908

1.900 - 2.014

2.000 - 2.120

2.100 - 2.226

2.200 - 2.332

2.300 - 2.438

2.400 - 2.544

2.500 - 2.650

2.600 - 2.756

2.700 - 2.862

2.800 - 2.968

2.900 - 3.074

3.000 - 3.180

3.100 - 3.286

3.200 - 3.392

3.300 - 3.498

3.400 - 3.604

3.500 - 3.710

3.600 - 3.816

3.700 - 3.922

3.800 - 4.028

3.900 - 4.134

4.000 - 4.240

4.100 - 4.346

4.200 - 4.452

4.300 - 4.558

4.400 - 4.664

4.500 - 4.770

4.600 - 4.876

4.700 - 4.982

4.800 - 5.088

4.900 - 5.194

5.000 - 5.300

5.100 - 5.406

5.200 - 5.512

5.300 - 5.618

5.400 - 5.724

5.500 - 5.830

5.600 - 5.936

5.700 - 6.042

5.800 - 6.148

5.900 - 6.254

6.000 - 6.360

6.100 - 6.466

6.200 - 6.572

6.300 - 6.678

6.400 - 6.784

6.500 - 6.890

6.600 - 6.996

6.700 - 7.102

6.800 - 7.208

6.900 - 7.314

7.000 - 7.420

7.087,22 - 7.512,45

Em agosto, a previsão de inflação estava em 7,41%, elevando a previsão do teto do INSS para R$ 7.612,38 em 2023. O salário mínimo estava previsto em R$ 1.302, mesmo valor a ser pago a segurados que recebem o piso dos benefícios previdenciários, incluindo aposentadorias, pensões, auxílios e o BPC (Benefício de Prestação Continuada) destinado a pessoas com deficiência e idosos com renda de até um quarto do salário mínimo por pessoa da família.

Inflação teve queda Com o subsídio de combustíveis feito pelo governo antes da eleições por meio da PEC (proposta de emenda à Constituição) Kamikaze, o país registrou deflação por três meses seguidos: julho, agosto e setembro. Em outubro, porém, o índice voltou a subir e a tendência é de alta também em dezembro.

Em 2023, a política de valorização do salário mínimo deverá voltar a valer, como ocorreu entre os anos de 2006 e 2019. A regra anterior levava em consideração a inflação mais o PIB (Produto Interno Bruto) de dois anos antes. Agora, a proposta é fazer uma média do PIB dos últimos cinco anos.

O reajuste acima da inflação foi implantado por Lula e transformado em lei por Dilma Rousseff, com validade somente até 2019. O governo Bolsonaro acabou com a valorização.