Mercado fechado
  • BOVESPA

    114.064,36
    +1.782,08 (+1,59%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.464,27
    +125,93 (+0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,24
    -0,06 (-0,08%)
     
  • OURO

    1.742,80
    -36,00 (-2,02%)
     
  • BTC-USD

    44.691,19
    +1.432,67 (+3,31%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.119,18
    +10,26 (+0,92%)
     
  • S&P500

    4.448,98
    +53,34 (+1,21%)
     
  • DOW JONES

    34.764,82
    +506,50 (+1,48%)
     
  • FTSE

    7.078,35
    -5,02 (-0,07%)
     
  • HANG SENG

    24.510,98
    +289,44 (+1,19%)
     
  • NIKKEI

    29.639,40
    -200,31 (-0,67%)
     
  • NASDAQ

    15.296,00
    +132,50 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2250
    +0,0162 (+0,26%)
     

Governo prevê R$ 2 bilhões para realização do Censo no próximo ano

·3 minuto de leitura
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 03.01.2019: Fachada do Ministério da Economia, em Brasília. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 03.01.2019: Fachada do Ministério da Economia, em Brasília. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF, E RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - Após dois anos seguidos de cortes e adiamentos, o governo voltou a prever recursos para a realização do Censo Demográfico. O plano é reservar R$ 2 bilhões para o levantamento no Orçamento de 2022.

O valor, porém, é considerado insuficiente pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), que alega precisar de R$ 2,3 bilhões, segundo nova estimativa feita no primeiro semestre de 2021.

O Censo estava marcado para 2020, mas foi suspenso por causa da pandemia da Covid-19. O governo tentou novamente realizar a pesquisa em 2021, mas houve mais um adiamento.

Em 2020, os recursos previstos para a pesquisa foram redirecionados a medidas de combate à pandemia. Neste ano, o governo reduziu o orçamento de R$ 2 bilhões para apenas R$ 135,6 milhões, gerando uma onda de protestos entre funcionários do IBGE e especialistas.

Em nota, o IBGE ressaltou que, em maio, o STF (Supremo Tribunal Federal) decidiu por 10 votos a 1 que "o Poder Executivo, em articulação direta com o Congresso Nacional, assegure os créditos orçamentários suficientes para a realização do Censo Demográfico do IBGE".

O instituto afirma que chegou a questionar o valor previsto no projeto de lei orçamentária como insuficiente para a pesquisa, mas foi orientado pelo Ministério da Economia a realizar "gestões no Congresso Nacional" ou "demandar crédito adicional após eventual aprovação do orçamento".

"Ao determinar a adoção de medidas administrativas e legislativas para a realização do Censo", diz o IBGE, "o STF estabeleceu que a União deve adotar todas as medidas legais necessárias para viabilizar a pesquisa censitária, inclusive no que se refere à previsão de créditos orçamentários para a realização das despesas públicas".

"Ao IBGE caberá atuar junto ao Congresso Nacional, num trabalho de mobilização e convencimento sobre os interesses públicos relacionados ao Censo Demográfico, para que a União assegure o que foi determinado pelo STF", completa o instituto.

Em março, após o anúncio do corte da maior parte dos recursos, a presidente do IBGE, Susana Cordeiro Guerra, deixou o cargo. Em carta, ex-presidentes do instituto alegaram que um novo adiamento da pesquisa deixaria "o país às cegas".

Na época, a verba para o projeto tinha sido reduzida para cerca de R$ 70 milhões. O corte foi feito por congressistas e motivado pela busca de recursos para bancar emendas parlamentares —forma que um deputado ou senador tem de enviar dinheiro para projetos e obras em sua base eleitoral.

Após os protestos iniciais, os próprios funcionários do IBGE passaram a apoiar o adiamento da pesquisa, diante do surgimento da segunda onda da pandemia, que dificultaria tanto o treinamento dos profissionais temporários quanto a coleta dos dados.

Realizado a cada dez anos, o Censo pretende visitar todos os domicílios do país para coletar dados sobre seus moradores e, assim, compor um retrato detalhado da população brasileira. Para a edição atual, são estimadas visitas em cerca de 72 milhões de residências.

De acordo com especialistas, o adiamento do Censo gera perda de qualidade das políticas sociais, redução na eficiência da distribuição de recursos para os municípios e descompasso nas pesquisas regulares de emprego e renda.

Entre os problemas causados pelo atraso está a distribuição de recursos públicos, já que o volume transferido nas cotas dos fundos de participação estaduais e municipais tem por base o número de habitantes de cada local.

O número de moradores ajuda a definir, por exemplo, os coeficientes de repasse do FPM (Fundo de Participação dos Municípios), uma das principais fontes de receita das prefeituras, usado sobretudo para custear a folha de pagamento. Sem a nova contagem da população, as estimativas ficam defasadas.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos