Mercado fechará em 6 h 13 min
  • BOVESPA

    129.600,52
    +1.432,78 (+1,12%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.274,97
    0,00 (0,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    75,19
    -0,06 (-0,08%)
     
  • OURO

    1.825,50
    +15,60 (+0,86%)
     
  • BTC-USD

    32.731,52
    +194,39 (+0,60%)
     
  • CMC Crypto 200

    795,13
    +27,50 (+3,58%)
     
  • S&P500

    4.390,36
    +21,15 (+0,48%)
     
  • DOW JONES

    35.013,35
    +124,56 (+0,36%)
     
  • FTSE

    7.103,89
    -20,83 (-0,29%)
     
  • HANG SENG

    27.787,46
    -175,95 (-0,63%)
     
  • NIKKEI

    28.608,49
    -109,75 (-0,38%)
     
  • NASDAQ

    14.943,50
    +78,50 (+0,53%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0400
    -0,0418 (-0,69%)
     

Governo prevê estouro da meta de inflação neste ano

·2 minuto de leitura

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O governo elevou a estimativa de inflação medida pelo IPCA neste ano de 5,05% para 5,9%. O valor está acima do teto da meta para este ano, de 5,25%. Já para o INPC, a estimativa passou de 5,05% para 6,2%.

O número foi divulgado nesta quarta-feira (14) pelo Ministério da Economia e atualiza a projeção anterior, calculada em maio.

Na revisão, o governo também alterou a projeção de crescimento do PIB (Produto Interno Bruto) deste ano de 3,5% para 5,3%, acompanhando o maior otimismo do mercado sobre a atividade no país e no mundo após a retração gerada pela pandemia em 2020.

A projeção está levemente acima da calculada pelo mercado. A pesquisa Focus, que reúne previsões de analistas compiladas pelo Banco Central, mostrou na segunda-feira (12) que estimativa de crescimento para este ano chegou a 5,26%, de 5,18% anteriormente. Para o ano que vem, houve ligeiro recuo de 0,01 ponto, para 2,09%.

A pasta destaca que houve avanço na vacinação, o que beneficia a economia, além de fatores externos favoráveis. "A disseminação do processo de vacinação tem efeitos positivos para a projeção do crescimento da economia dos países, inclusive para o Brasil", afirma o boletim da SPE (Secretaria de Política Econômica), do ministério.

"Outros fatores que têm propiciado um ambiente mais favorável para o crescimento conjuntural brasileiro, pelo lado externo, são a elevada liquidez internacional e aumento do preço das commodities. Já pelo ambiente interno, destaca-se a taxa de poupança mais elevada, robusto crescimento do crédito com financiamento do setor privado e maior crescimento do investimento", diz o texto.

As expectativas de crescimento estão sendo elevadas em grande parte do mundo neste ano, embora haja discrepâncias entre os países em meio a um avanço desigual da vacinação contra a Covid-19.

A OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico) passou a estimar recentemente que o crescimento econômico global deve ser de 5,8% este ano, de 4,2% anteriormente. Mesmo assim, a receita global ainda deve ser US$ 3 trilhões menor ao fim de 2022 do que o esperado antes da crise.

O Banco Mundial prevê um crescimento global parecido, com projeção 5,6% em 2021. De acordo com a instituição, a recuperação é desigual e em grande parte reflete fortes retomadas em algumas das principais economias devido ao apoio fiscal substancial, principalmente nos Estados Unidos, mas ainda em meio ao acesso desigual às vacinas.

A previsão do Banco Mundial feita em junho é que o Brasil cresça 4,5%, previsão que ficou abaixo dos Estados Unidos (6,8%) e de pares emergentes como Índia (8,3%), Argentina (6,4%) e México (5%), mas acima da área do Euro (4,2%) e do Japão (2,9%).

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos