Mercado fechado

Governo planeja vender R$ 3 bi em imóveis da União em 2020

FÁBIO PUPO
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 18.01.2016: Residência oficial do Ministério da Casa Civil, em Brasília (DF). (Foto: Alan Marques/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O governo planeja vender R$ 3 bilhões em imóveis da União em 2020. A meta era alcançar R$ 1 bilhão em 2019, mas as alienações ficaram em R$ 180 milhões ao fim de dezembro.

Dentre os 465 imóveis a serem colocados à disposição de compradores desta vez, estão 60 apartamentos funcionais em Brasília. Também está na lista o edifício "A Noite", no centro do Rio de Janeiro.

Fernando Bispo, secretário de coordenação e governança do patrimônio da União do Ministério da Economia, afirmou que até o momento o governo vendeu R$ 18 milhões em imóveis em 2020.

"A gente optou por fazer [principalmente] depois do Carnaval, por imaginar que o mercado imobiliário não estaria aquecido no começo do ano", afirmou.

A venda dos imóveis está sob o guarda-chuva do secretário especial Salim Mattar, de Desestatização, Desinvestimento e Mercados. A pasta também é responsável pelo processo de privatização de estatais.

Segundo Bispo, o principal entrave para alcançar a meta está ligado ao correto registro dos imóveis. No ano passado, disse, esse problema dificultou os planos do governo para a área.

A expectativa dele é que uma MP (Medida Provisória) enviada ao Congresso no fim de dezembro agilize o processo. As vendas devem contar com participação do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) em parte da carteira.

De acordo com o Ministério da Economia, há potencial para levantar R$ 36 bilhões até o fim de 2022 com a venda de imóveis da União.

Bispo afirma que os recursos levantados vão para o Tesouro Nacional e geram resultado primário (que não considera pagamento de dívidas).