Mercado abrirá em 9 h 27 min
  • BOVESPA

    126.003,86
    +951,08 (+0,76%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.897,79
    +629,34 (+1,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,16
    +0,25 (+0,35%)
     
  • OURO

    1.798,10
    -1,10 (-0,06%)
     
  • BTC-USD

    36.694,50
    -1.439,55 (-3,77%)
     
  • CMC Crypto 200

    870,44
    -45,05 (-4,92%)
     
  • S&P500

    4.422,30
    +10,51 (+0,24%)
     
  • DOW JONES

    35.144,31
    +82,76 (+0,24%)
     
  • FTSE

    7.025,43
    -2,15 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    26.036,77
    -155,55 (-0,59%)
     
  • NIKKEI

    27.932,08
    +98,79 (+0,35%)
     
  • NASDAQ

    15.095,25
    -22,50 (-0,15%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1094
    -0,0009 (-0,01%)
     

Governo planeja Dia D contra COVID, com orientações e distribuição de cloroquina

·3 minuto de leitura

O governo federal estaria preparando um “Dia D” de combate ao novo coronavírus, marcado para o próximo sábado, 3 de outubro. Na data, as Unidades Básicas de Saúde (UBS) de todo o país estarão abertas para distribuir à população o chamado kit COVID-19, que traz remédios como cloroquina, azitromicina, ivermectina e hidroxicloroquina, além de instruir a população sobre como se medicar e dar informações sobre a transmissão do patógeno e demais medidas de higiene.

De acordo com apuração do Estadão, o assunto estaria na pauta das lives de Jair Bolsonaro para a próxima semana, quando seria feito o anúncio do Dia D. Além disso, a ideia é que o presidente faça um pronunciamento à nação no dia 2 de outubro, incentivando a população a comparecer às unidades de saúde, divulgando o evento e falando sobre os benefícios do que o Ministério da Saúde chama de tratamento precoce contra a COVID-19.

Antes do Dia D, entretanto, o governo estaria trabalhando em outras ações de preparação, que envolvem o levantamento de estoques dos medicamentos que fazem parte do kit COVID-19, o fracionamento das caixas de 100 comprimidos recebidas como doação do governo dos Estados Unidos e a distribuição destes pacotes menores às unidades de saúde de todo o Brasil. O assunto teria aparecido ao longo desta semana em reuniões internas do governo, que também teriam contado com a presença de representantes da sociedade civil.

A primeira fala oficial sobre o assunto veio ontem, durante uma reunião entre o ministro da saúde, Eduardo Pazuello, com prefeitos e governadores. Segundo ele, essa seria uma medida do Sistema Único de Saúde (SUS) para divulgar melhores práticas de prevenção contra a transmissão do coronavírus e “salvar mais vidas”, nas palavras do líder da pasta.

Cartazes sobre a campanha, que lembra o estilo adotado pelo governo em vacinações, também seriam colocados em pontos de alta circulação de pessoas, como estações, shoppings, aeroportos e academias. O governo contaria também com apoiadores entre a sociedade civil, que portariam máscaras e camisetas divulgando o Dia D. Essa medida, segundo Pazuello, também seria uma forma de combater a desinformação, citando a ideia de que os pacientes somente devem comparecer às unidades de saúde quando estivessem sentindo falta de ar como um exemplo disso.

A reunião contou com o apoio dos representantes regionais quanto às iniciativas de prevenção e informação sobre medidas, mas não teria terminado de forma unânime, com secretários locais presentes demonstrando preocupação quando à divulgação de um tratamento que não tem eficácia científica comprovada. Ainda assim, em resposta à imprensa, o Ministério da Saúde afirmou que as ações do Dia D contra o coronavírus ainda estão sendo planejadas e não confirmou nem negou um pronunciamento de Bolsonaro para falar sobre o assunto no final da próxima semana.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos