Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.672,26
    +591,91 (+0,60%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.741,50
    +1.083,62 (+2,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    107,06
    +2,79 (+2,68%)
     
  • OURO

    1.828,10
    -1,70 (-0,09%)
     
  • BTC-USD

    21.448,74
    +151,53 (+0,71%)
     
  • CMC Crypto 200

    462,12
    +8,22 (+1,81%)
     
  • S&P500

    3.911,74
    +116,01 (+3,06%)
     
  • DOW JONES

    31.500,68
    +823,32 (+2,68%)
     
  • FTSE

    7.208,81
    +188,36 (+2,68%)
     
  • HANG SENG

    21.719,06
    +445,19 (+2,09%)
     
  • NIKKEI

    26.491,97
    +320,72 (+1,23%)
     
  • NASDAQ

    12.132,75
    +395,25 (+3,37%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5524
    +0,0407 (+0,74%)
     

Governo pede que Petrobras adie reajuste dos combustíveis

Defasagem dos combustíveis com relação ao mercado internacional já estaria na faixa de 17% a 18%
Defasagem dos combustíveis com relação ao mercado internacional já estaria na faixa de 17% a 18%

(Getty Images)

  • Governo federal pede à diretoria da Petrobras que adie os reajustes nos combustíveis;

  • Estatal prevê aumentar, ainda nesta semana, preço da gasolina e diesel;

  • Governo teme que medida esvazie os esforços feitos para aprovar o teto do ICMS sobre combustíveis.

Representantes do governo federal se reuniram com a diretoria da Petrobras, na noite desta segunda-feira (13), para pedir o adiamento dos reajustes dos combustíveis. Segundo fontes ouvidas pelo Estadão/Broadcast, a estatal planejava elevar os preços da gasolina e diesel ainda nesta semana.

Os aumentos de 9% e 11%, respectivamente, teriam como objetivo reduzir a defasagem com relação ao mercado internacional, que já estaria na faixa de 17% a 18%. A diferença de preços praticados desincentiva a importação, já que “um importador não vai importar mais caro para vender mais barato aqui”, apontou Eberaldo Almeida, presidente do Instituto Brasileiro do Petróleo e do Gás (IBP), na última sexta-feira (10).

No entanto, o governo teme que os reajustes anulem os esforços feitos para validar, no Senado e na Câmara, o projeto que limita o teto do ICMS ((Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) em 17% sobre combustíveis, energia, telecomunicações e transportes. A medida foi aprovada nesta terça-feira (14), mas os parlamentares ainda devem analisar os destaques que alteram alguns pontos. Depois, é necessária a sanção de Jair Bolsonaro.

A redução do ICMS, apontada como uma forma de segurar a alta de preços, é defendida pelo presidente e seus apoiadores, já que os preços dos combustíveis impactam a popularidade de Bolsonaro em ano eleitoral. A diretoria da Petrobras teria recebido bem a proposta de adiar os reajustes, mas não deu certeza de que manterá os preços congelados. Também é possível que a estatal reduza o percentual de aumento.

Embora a pressão do governo sobre a Petrobras não seja ilegal, a lei diz que o acionista controlador pode responder por abuso de poder ao tomar decisões que prejudiquem a empresa, o que poderia acontecer caso a defasagem continue alta.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos