Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.282,67
    -781,69 (-0,69%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.105,71
    -358,56 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,95
    +0,65 (+0,89%)
     
  • OURO

    1.750,60
    +0,80 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    42.479,11
    -1.963,36 (-4,42%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.067,20
    -35,86 (-3,25%)
     
  • S&P500

    4.455,48
    +6,50 (+0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.798,00
    +33,18 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.051,48
    -26,87 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    24.192,16
    -318,82 (-1,30%)
     
  • NIKKEI

    30.248,81
    +609,41 (+2,06%)
     
  • NASDAQ

    15.319,00
    +15,50 (+0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2556
    +0,0306 (+0,49%)
     

Governo pede para STF suspender pagamento de R$ 15,6 bi em precatórios a estados

·3 minuto de leitura
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 12.07.2021 - O presidente do STF,  ministro Luiz Fux. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 12.07.2021 - O presidente do STF, ministro Luiz Fux. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Com o objetivo de aliviar a pressão sobre as contas públicas de 2022, a AGU (Advocacia-Geral da União) pediu ao STF (Supremo Tribunal Federal) a suspensão da decisão que determinou ao governo federal o pagamento de R$ 8,7 bilhões ao estado da Bahia relativo a dívidas de repasses do Fundef (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério).

Na ação, a AGU, que faz a defesa judicial do governo federal, afirma que deve ingressar com solicitações similares em relação a Pernambuco, Ceará e Amazonas. Caso tenha sucesso nos quatro processos, o Executivo teria um alívio de R$ 15,59 bilhões no caixa do ano que vem.

O montante representa 26% do total de precatórios que o governo tem a pagar no ano que vem. Os cerca de R$ 90 bilhões que a União deve em ações judiciais é uma das principais preocupações da equipe econômica do governo e uma decisão favorável do Supremo neste caso representaria uma vitória importante para o Executivo.

A peça é assinada por Bruno Bianco, que assumiu a chefia da AGU no lugar de André Mendonça, indicado pelo presidente Jair Bolsonaro a uma vaga no Supremo.

Bianco também solicita que o presidente da corte, Luiz Fux, abra uma mesa de conciliação com os estados sobre o tema.

A dívida surgiu após o Supremo reconhecer que os repasses feitos pela União aos estados relativos ao Fundef foram subestimados.

O debate sobre o valor a ser pago pelo governo federal é antigo. O Fundef esteve em vigência até 2006 e a ação sobre o tema está no Supremo desde 2002.

Na conciliação solicitada pela AGU, as partes podem chegar a um acordo caso os estados aceitem, por exemplo, um pagamento parcelado do montante.

O relator da ação, Edson Fachin, já rejeitou recurso da União neste caso e determinou o pagamento à Bahia. O magistrado enviou sua decisão ao presidente da corte para expedição de alvará para viabilizar a liberação da verba.

Agora, a AGU apresentou o pedido direto a Luiz Fux. "A presente manifestação, por seu turno, dirige-se ao despacho proferido por essa Presidência do STF, e, por meio dela, a União pretende obter, na mesma linha em que requerido no mencionado agravo interno, a suspensão do requisitório expedido, bem como a abertura de procedimento conciliatório", diz.

A fatura a ser paga pelas sentenças judiciais no próximo ano levou o governo a propor uma PEC (proposta de emenda à Constituição) para parcelar os montantes a partir de 2022. O movimento causou reações no mercado ao ser vista como um drible na regra do teto de gastos em ano eleitoral.

Na equipe econômica, o movimento da AGU foi visto como benéfico para aliviar a pressão sobre as contas de 2022, já que a conta de quase R$ 90 bilhões em precatórios no ano que vem poderia cair a partir da decisão do STF.

Apesar disso, é avaliado que a medida por si só não vai resolver o sufoco gerado pelo crescimento das sentenças judiciais previstas para o ano que vem.

O Fundef (alvo dos pedidos da AGU) representa cerca de metade do crescimento de R$ 33 bilhões projetados para os precatórios de 2021 para 2022.

Além disso, é ressaltado que o processo de conciliação ainda pode gerar diferentes resultados. O resumo é que a medida é boa, mas ainda será difícil saber o que de fato sairá da negociação.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos