Mercado fechado
  • BOVESPA

    126.003,86
    +951,08 (+0,76%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.897,79
    +629,34 (+1,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,14
    +0,23 (+0,32%)
     
  • OURO

    1.797,30
    -1,90 (-0,11%)
     
  • BTC-USD

    37.239,09
    +2.692,04 (+7,79%)
     
  • CMC Crypto 200

    905,01
    -10,48 (-1,14%)
     
  • S&P500

    4.422,30
    +10,51 (+0,24%)
     
  • DOW JONES

    35.144,31
    +82,76 (+0,24%)
     
  • FTSE

    7.025,43
    -2,15 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    26.192,32
    -1.129,66 (-4,13%)
     
  • NIKKEI

    27.833,29
    +285,29 (+1,04%)
     
  • NASDAQ

    15.115,00
    -2,75 (-0,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1089
    -0,0127 (-0,21%)
     

Governo pede autorização para destravar R$ 164 bi em gastos com pessoal e Previdência

·2 minuto de leitura

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O presidente Jair Bolsonaro pediu autorização ao Congresso para o governo se endividar em R$ 164 bilhões e usar esses recursos para bancar gastos como de pessoal e Previdência.

O projeto solicita abertura de crédito suplementar nesse valor. Na prática, o presidente pede liberação para contornar a chamada regra de ouro, que impede o governo de se endividar para pagar despesas correntes, como salários, aposentadorias e benefícios assistenciais.

A informação foi confirmada nesta quarta-feira (16) pelo Ministério da Economia. O projeto ainda não havia sido publicado no Diário Oficial da União.

Para não descumprir a regra de ouro neste ano, o governo condicionou uma série de despesas à autorização do Congresso. Esses gastos só podem ser feitos se os parlamentares derem aval para que o Tesouro emita mais dívida do que o estipulado na lei.

Inicialmente, o valor da insuficiência relacionada à regra de ouro para 2021 estava em R$ 453,7 bilhões. Mas o governo usou fontes superavitárias, como o resultado do Banco Central, para abater esse valor.

De acordo com nota do Palácio do Planalto, a abertura do crédito será feita em favor de diversos órgãos. A aprovação da proposta não cria novos gastos, apenas autoriza despesas que estavam condicionadas. Por isso, não há impacto no teto, regra que limita o crescimento dos gastos públicos à variação da inflação.

É a terceira vez que o governo depende de aprovação desse crédito extra para gastar todo o Orçamento, reflexo da crise nas contas públicas.

O Congresso autorizou o governo a descumprir a regra de ouro em 2019 quando faltavam poucos dias para começar a faltar dinheiro para o BPC, benefício assistencial pago a idosos carentes e pessoas com deficiência.

Vincular o crédito extra a gastos de cunho social e previdenciário foi uma estratégia adotada pelo governo. Assim, a resistência dos congressistas à medida cai.

O projeto que libera o crédito da regra de ouro precisa do apoio da maioria dos parlamentares --257 na Câmara e 41 no Senado.

*

REGRA DE OURO

O que é:

Proíbe que o governo realize operações de crédito (emissão de títulos da dívida pública) que excedam o valor das suas despesas de capital (investimentos)

Exceção:

Operações de crédito autorizadas por meio de créditos suplementares ou especiais com finalidade específica aprovados pelo Congresso por maioria absoluta

Objetivo:

Estimular o investimento e frear o avanço do endividamento para custeio de gastos correntes

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos