Mercado fechado

Governo oferece R$ 40 mi em emendas para deputados que votarem pela reforma

Proposta de bônus de R$ 40 milhões para cada voto favorável à reforma da Previdência foi feita pelo ministro-chefe da Casa Civil, segundo parlamentares ouvidos pela Folha. (Foto: Fátima Meira/Futura Press)

O ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni (DEM-RS), ofereceu um acréscimo de R$ 40 milhões no valor das emendas parlamentares concedidas até 2022 para cada deputado que votar favorável à reforma da Previdência no plenário da Câmara.

As informações são do jornal Folha de São Paulo.

A oferta foi confirmada à Folha de S. Paulo por líderes de cinco partidos integrantes da base do governo de Jair Bolsonaro (PSL). Segundo eles, Onyx anunciou a proposta na casa do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), na semana passada.

O bônus pelos votos aumentaria em 65% o valor que cada parlamentar pode manejar no Orçamento federal de 2019 para obras e investimentos em infraestrutura em suas bases eleitorais de atuação.

Atualmente, os deputados federais têm direito a R$ 15,4 milhões em emendas parlamentares por ano. Com os R$ 40 milhões extras até 2022 - sendo R$ 10 milhões por ano -, o montante ultrapassaria R$ 25 milhões.

O valor a mais teria origem em rubricas de fora do volume reservado para as emendas, mas, segundo os deputados ouvidos pela Folha, o ministro não entrou em detalhes sobre a fonte.

Leia mais

Os líderes parlamentares ouvidos pela Folha que confirmaram a proposta de Onyx são do DEM, PP, PSD, PR, PRB e Solidariedade. Apesar da proposta, os deputados disseram que não houve celebração de um acordo, sendo que alguns ressaltaram ainda a descrença em o governo conseguir cumprir a promessa pelos próximos 4 anos.

Segundo a Folha, a reportagem enviou questionamentos no fim da tarde e início da noite desta terça-feira (23) ao presidente da Câmara e ao ministro da Casa Civil, mas não obteve resposta.

“TOMA LÁ, DÁ CÁ”

Uma das principais promessas de campanha de Bolsonaro era acabar com o chamado “toma lá dá cá”. A antiga prática de governos consiste em obter apoio no Congresso em troca de indicação de cargos federais, liberação de verbas do Orçamento ou outros benefícios envolvendo a máquina pública.

A reforma da Previdência é a principal proposta deste início de gestão Bolsonaro. O texto está em fase inicial de tramitação e foi votado na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) na noite desta terça (24).