Mercado abrirá em 1 h 25 min
  • BOVESPA

    124.612,03
    -1.391,83 (-1,10%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.910,53
    +12,74 (+0,03%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,79
    +0,14 (+0,20%)
     
  • OURO

    1.797,40
    -2,40 (-0,13%)
     
  • BTC-USD

    40.809,93
    +3.181,34 (+8,45%)
     
  • CMC Crypto 200

    954,06
    +77,83 (+8,88%)
     
  • S&P500

    4.401,46
    -20,84 (-0,47%)
     
  • DOW JONES

    35.058,52
    -85,79 (-0,24%)
     
  • FTSE

    7.012,49
    +16,41 (+0,23%)
     
  • HANG SENG

    25.473,88
    +387,45 (+1,54%)
     
  • NIKKEI

    27.581,66
    -388,56 (-1,39%)
     
  • NASDAQ

    14.991,25
    +43,50 (+0,29%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1181
    +0,0097 (+0,16%)
     

Governo negociou propina em criptomoedas por vacinas, mostram mensagens

·2 minuto de leitura
Governo negociou propina em criptomoedas por vacinas, mostram mensagens

O Ministério da Saúde e representantes da empresa Davati, que dizia intermediar tratativas com a AstraZeneca, negociaram propina em criptomoedas para liberar vacinas para a rede privada brasileira.

O Policial Militar Luiz Paulo Dominguetti, acusado de intermediar um esquema fraudulento na venda de vacinas da AstraZeneca, teria negociado um valor adicional ao preço-base das vacinas junto com o tenente-coronel Marcelo Blanco, ex-diretor de logística do Ministério da Saúde.

O suposto acerto aparece em mensagens do celular de Dominguetti e obtidas pelo Portal Metrópoles após quebra de sigilo aprovada no âmbito da CPI da Pandemia no Senado Federal.

O ex-funcionário o Ministério e o PM teriam participado de um esquema para liberar vacinas para clínicas privadas do Brasil mediante um pagamento paralelo.

Mensagens

Mensagens trocadas entre Blanco, Dominguetti e Cristiano Alberto Carvalho, da empresa Davati, mostram as supostas tratativas para comprar vacinas superfaturadas e repassar à iniciativa privada. A diferença, que seria o valor da propina, seria paga em criptomoedas.

Segundo o Metrópoles, em 9 de fevereiro, Blanco perguntou a Dominghetti se o preço de US$ 12,51 por dose oferecido ao governo seria também praticado junto à rede privada. Após a negativa de Dominguetti, ele foi chamado para uma reunião em Brasília com seu empregador.

10 dias depois, Dominguetti apontou dificuldades de negociação com o Ministério da Saúde, e Blanco logo disse que eles precisariam “desenhar uma estratégia visando esse mercado”. Em áudios, o tenente-coronel mostrou interesse de levar as vacinas para a rede privada e perguntou se eles poderiam fazer o próprio preço.

Após a liberação do governo, Domighetti disse então que já poderiam rodar os contratos referentes à compra de 400 milhões de doses da vacina da Astrazeneca/Oxford. Segundo informações compartilhadas na conversa, o estoque do imunizante se encontrava na Índia.

Criptomoedas

Em 1º de março, diz o Metrópoloes, Blanco teria se mostrado otimista com o negócio e, uma semana depois, Dominghetti pediu uma conta para depósito. “Vamos depositar 1 milhão dólares agora”, afirmou. O valor seria referente à propina.

Foi aí que surgiram problemas para viabilizar o pagamento. A dupla então cita um “Eduardo”, personagem ainda não identificado, e que teriam que acertar com “Edinho e todo o grupo”.

O ex-diretor do Ministério da Saúde diz então que o esquema não prosperaria “por conta de informações que não deixaram os operadores confortáveis”. É aí então, que, mostram as mensagens, ele considera usar criptomoedas para finalizar o pagamento de US$ 1 milhão em propina pela aquisição de vacinas via Governo Federal.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos