Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.247,15
    -2.542,18 (-2,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.378,14
    -1.085,89 (-2,11%)
     
  • PETROLEO CRU

    109,07
    -3,33 (-2,96%)
     
  • OURO

    1.814,10
    -4,80 (-0,26%)
     
  • BTC-USD

    29.102,07
    -1.026,89 (-3,41%)
     
  • CMC Crypto 200

    650,32
    -20,35 (-3,03%)
     
  • S&P500

    3.923,68
    -165,17 (-4,04%)
     
  • DOW JONES

    31.490,07
    -1.164,52 (-3,57%)
     
  • FTSE

    7.438,09
    -80,26 (-1,07%)
     
  • HANG SENG

    20.644,28
    +41,76 (+0,20%)
     
  • NIKKEI

    26.911,20
    +251,45 (+0,94%)
     
  • NASDAQ

    11.875,75
    -684,50 (-5,45%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2142
    +0,0038 (+0,07%)
     

Governo negocia taxar dividendos em 10% e cortar IR de empresa em 4 pontos

Moedas de reais

Por Bernardo Caram

BRASÍLIA (Reuters) - O governo retomou negociações com o Congresso para tentar implementar uma reforma do Imposto de Renda (IR) mais modesta, com taxação de 10% sobre dividendos, corte do imposto de empresas de 34% para 30% e um programa de refinanciamento de dívidas (Refis), informou uma fonte que acompanha as discussões, ressaltando que a tabela do IR da pessoa física não deverá ser corrigida este ano.

O projeto de reforma do imposto de renda apresentado pelo governo foi aprovado pela Câmara em setembro do ano passado após modificações, mas travou no Senado. O plano agora, segundo essa autoridade, é enxugar o texto que está parado com os senadores para que ele seja aprovado e retorne para avaliação final da Câmara.

Há dúvidas sobre se o novo Refis seria incluído no mesmo projeto. De acordo com a fonte, a ideia é conciliar interesses de parlamentares, que querem aprovar um Refis, e do governo, que tenta dar uma sinalização à Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) de que está se alinhando à prática internacional ao reduzir a tributação de empresas.

O texto aprovado pela Câmara no ano passado prevê uma alíquota de 15% sobre a distribuição de dividendos --o governo havia proposto 20% inicialmente. O novo plano, chamado pela fonte de minirreforma, poderia prever o patamar de 10%.

Em relação à tributação sobre empresas, incluindo o Imposto de Renda das Pessoas Jurídicas e a Contribuição Social sobre o Lucro Líquido, a ideia é reduzir a alíquota total dos atuais 34% para 30%, disse a fonte. O texto aprovado pela Câmara e que travou no Senado levaria a tributação para 26%.

No caso das pessoas físicas, o presidente Jair Bolsonaro chegou a dizer em abril que a equipe econômica anunciaria uma correção da tabela do IR em “percentual bastante elevado”. No entanto, segundo essa autoridade, a medida não poderia ser feita porque ao incluir mais pessoas na faixa de isenção, o governo estaria dando uma gratuidade do imposto a esses contribuintes, benefício a um grupo específico, o que não seria permitido em ano eleitoral.

(Edição de Isabel Versiani)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos