Mercado fechado
  • BOVESPA

    105.069,69
    +603,69 (+0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.597,29
    -330,11 (-0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,22
    -0,04 (-0,06%)
     
  • OURO

    1.782,10
    +0,10 (+0,01%)
     
  • BTC-USD

    48.814,21
    -433,48 (-0,88%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.367,14
    -74,62 (-5,18%)
     
  • S&P500

    4.538,43
    -38,67 (-0,84%)
     
  • DOW JONES

    34.580,08
    -59,72 (-0,17%)
     
  • FTSE

    7.122,32
    -6,89 (-0,10%)
     
  • HANG SENG

    23.766,69
    -22,21 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    28.029,57
    +276,17 (+1,00%)
     
  • NASDAQ

    15.687,50
    -30,25 (-0,19%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3953
    +0,0151 (+0,24%)
     

Governo não fecha desenho final do Auxílio Brasil e cancela anúncio

·2 min de leitura
Prédio do Ministério da Economia em Brasília

Por Lisandra Paraguassu

BRASÍLIA (Reuters) - O governo cancelou o anúncio do programa Auxílio Brasil marcado para esta terça-feira, informou o Ministério da Cidadania, em meio a uma forte reação negativa do mercado à decisão de colocar parte do pagamento do benefício que vai substituir o Bolsa Família fora do teto de gastos.

A expectativa era do anúncio de um valor de 400 reais para os beneficiários, num programa que pode ajudar Bolsonaro a recuperar parte de sua popularidade um ano antes da eleição presidencial de 2022.

Ao sair do Congresso no final da tarde, os ministros Ciro Nogueira, da Casa Civil, e João Roma, da Cidadania, disseram que não foi possível finalizar o texto.

"Estamos fechando o texto ainda", disse Nogueira. Roma foi na mesma linha: "São muitas informações. Pensamos em anunciar, mas não validou ainda."

Em comunicação enviada na segunda-feira e vista pela Reuters, Bolsonaro convidou ministros para a "Cerimônia de Lançamento do Auxílio Brasil" às 17h, no terceiro andar do Palácio do Planalto, onde fica o gabinete presidencial.

Convidados estavam chegando ao Palácio do Planalto e acabaram sendo informados pela equipe de apoio que a cerimônia não iria mais ocorrer.

Uma fonte com conhecimento do programa explicou que o valor pago às famílias será composto em parte pelo orçamento do Bolsa Família e em parte por um auxílio temporário que, por não ser estruturado como despesa continuada, não precisará de definição de fonte de receita.

Segundo essa fonte, o Bolsa Família será rebatizado de Auxílio Brasil, como planejava o governo, e manterá seu orçamento de 34,7 bilhões de reais previsto para o ano que vem. Mas, para aumentar o valor pago aos beneficiários, um auxílio temporário será criado, ao custo de cerca de 50 bilhões de reais. Parte do auxílio será pago dentro do teto de gastos e parte fora.

Outra fonte, a par das negociações, disse à Reuters que o valor de 400 reais para o Auxílio Brasil foi uma imposição do presidente Jair Bolsonaro.

A informação de que o governo planeja furar o teto de gastos aguçou o mau humor do mercado financeiro.

O relator da medida provisória que trata do Auxílio Brasil, Marcelo Aro (PP-MG), disse ser contrário à solução que está sendo divulgada.

"Eu vinha cobrando do Ministério (da Economia) um posicionamento, números, eles não me passaram e aí tive essa notícia de dois auxílios temporários, que na minha opinião não é o caminho, nós precisamos de uma política estruturante, nós precisamos de uma política de Estado e não acredito que benefícios temporários sejam solução para essa camada mais vulnerável, mais necessitada do país", disse Aro a jornalistas.

(Reportagem adicional de Ricardo Brito)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos