Mercado fechará em 5 h 31 min
  • BOVESPA

    120.137,44
    +840,30 (+0,70%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.040,53
    +536,82 (+1,13%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,57
    +1,39 (+2,31%)
     
  • OURO

    1.735,10
    -12,50 (-0,72%)
     
  • BTC-USD

    63.074,62
    +400,61 (+0,64%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.349,99
    -25,79 (-1,87%)
     
  • S&P500

    4.145,61
    +4,02 (+0,10%)
     
  • DOW JONES

    33.856,36
    +179,09 (+0,53%)
     
  • FTSE

    6.924,22
    +33,73 (+0,49%)
     
  • HANG SENG

    28.900,83
    +403,58 (+1,42%)
     
  • NIKKEI

    29.620,99
    +82,29 (+0,28%)
     
  • NASDAQ

    13.953,25
    -22,50 (-0,16%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7921
    -0,0391 (-0,57%)
     

Governo não cogita no momento alterar meta de déficit fiscal para o ano, diz Waldery

·1 minuto de leitura
Edifício do Ministério da Economia em Brasília

BRASÍLIA (Reuters) - O governo não trabalha no momento com a possibilidade de alterar a meta de déficit primário para este ano fixada na Lei de Diretrizes Orçamentárias, mas não deixará faltarem recursos para o enfrentamento da pandemia, disse o secretário de Política Econômica, Waldery Rodrigues, nesta quarta-feira.

A LDO prevê como meta um déficit de 247,1 bilhões de reais para o governo central em 2021.

"Nós hoje não trabalhamos com a alteração dessa meta. É claro que a dinâmica do processo requererá uma análise momento a momento, mas hoje não trabalhamos com a alteração da meta de primário", disse Waldery em entrevista à imprensa.

A PEC Emergencial aprovada pelo Congresso estabeleceu um limite de despesas de 44 bilhões de reais com o pagamento de auxílio emergencial fora da meta fiscal.

Waldery disse que caso o governo tenha que fazer gastos adicionais para lidar com o coronavírus, irá analisar com o Congresso "caso a caso" como proceder.

"O governo está atento para ações ligadas à saúde e atuará dentro dos regramentos legais para, em particular, a defesa dos mais vulneráveis, e saúde é prioridade", disse o secretário.

Ele informou ainda que, com o atraso na votação do Orçamento, o Ministério da Economia não divulgará seu primeiro relatório de receitas e despesas do ano este mês, como previsto. A programação deverá ser feita em maio ou eventualmente poderá haver uma divulgação extraordinária em abril, disse Waldery.

(Por Isabel Versiani)