Mercado fechado
  • BOVESPA

    109.114,16
    -2.601,84 (-2,33%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.808,56
    -587,38 (-1,29%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,60
    -0,11 (-0,14%)
     
  • OURO

    1.631,00
    -2,40 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    19.172,54
    +293,25 (+1,55%)
     
  • CMC Crypto 200

    438,96
    +5,86 (+1,35%)
     
  • S&P500

    3.655,04
    -38,19 (-1,03%)
     
  • DOW JONES

    29.260,81
    -329,60 (-1,11%)
     
  • FTSE

    7.020,95
    +2,35 (+0,03%)
     
  • HANG SENG

    17.855,14
    -78,13 (-0,44%)
     
  • NIKKEI

    26.431,55
    -722,28 (-2,66%)
     
  • NASDAQ

    11.316,00
    -0,25 (-0,00%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1666
    +0,0690 (+1,35%)
     

Governo melhora projeção do PIB em 2022 para alta de 2,7% e mantém visão otimista para 2023

Pessoas transitam por rua de comércio popular no centro de São Paulo

Por Bernardo Caram

BRASÍLIA (Reuters) - A Secretaria de Política Econômica (SPE) do Ministério da Economia melhorou nesta quinta-feira a projeção oficial para o desempenho da atividade econômica em 2022, mantendo estimativa de atividade resiliente no ano que vem, em visão mais otimista do que a observada no mercado.

Pela nova previsão, o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro deve crescer 2,7% neste ano, contra 2,0% estimados em julho. Para 2023, a pasta manteve a perspectiva de crescimento em 2,5%, muito acima das previsões de mercado, apesar do agressivo aperto monetário implementado pelo Banco Central para conter a inflação.

No documento distribuído nesta quinta, a SPE afirmou que a melhora na previsão para a atividade de 2022 foi motivada principalmente pelo resultado do PIB do segundo trimestre, que surpreendeu positivamente ao crescer 1,2% em relação ao trimestre anterior. Segundo a pasta, indicadores já divulgados também apontam tendência positiva para o terceiro trimestre.

"O crescimento da atividade é reflexo do aumento do emprego, do desempenho do setor de serviços e da elevação da taxa de investimento", afirmou a pasta em seu Boletim Macrofiscal.

De acordo com o secretário de Política Econômica, Pedro Calhman, o impacto do aperto monetário está incluído nos números apresentados pelo ministério. Ele avaliou que o efeito mais forte da alta da taxa Selic será observado no segundo semestre deste ano, argumentando que o cenário também incorpora a expectativa do mercado para o nível de juros em 2023.

A visão de analistas para o PIB, segundo o mais recente boletim Focus, do Banco Central, aponta para um crescimento de 2,39% neste ano, recuando para apenas 0,5% em 2023.

INFLAÇÃO EM QUEDA

Em relação à inflação medida pelo IPCA, a previsão da equipe econômica caiu para 6,3% em 2022, contra 7,2% da projeção feita em julho. Para 2023, a estimativa foi mantida em 4,5% mesmo após o governo sinalizar que manterá cortes de tributos no ano que vem.

De acordo com projeção do mercado apresentada no boletim Focus, o IPCA deve encerrar 2022 em 6,4%, ligeiramente acima do estimado pelo governo. Para 2023, a projeção de mercado está em 5,17%, maior que a estimativa oficial.

O centro da meta de inflação é de 3,5% neste ano e 3,25% no próximo, nos dois casos com margem de tolerância de 1,5 ponto para mais ou para menos.

A maior parte das medidas adotadas pela gestão Jair Bolsonaro neste ano eleitoral, com cortes de tributos sobre combustíveis e benefícios sociais turbinados, tem validade apenas até dezembro. Em meio à campanha, porém, o governo já indicou a intenção de manter as ações em 2023.

Iniciativa de impacto relevante sobre a inflação, o corte temporário de tributos federais sobre combustíveis, que seria encerrado no fim deste ano, já foi incluído no projeto de Orçamento de 2023 a um custo que supera 50 bilhões de reais. Portanto, o impulso inflacionário que seria observado em janeiro com o retorno da tributação não deve mais ocorrer.

No entanto, para o subsecretário de Política Macroeconômica da pasta, Fausto Vieira, cálculos internos indicam que esse efeito sobre a inflação no ano que vem seria pequeno.

Analistas e o Banco Central também têm apontado que riscos fiscais podem pressionar a inflação. Entre as incertezas, estão as promessas de Bolsonaro --e também do petista Luiz Inácio Lula da Silva, que lidera as intenções de voto para a Presidência-- de manter o Auxílio Brasil de 600 reais no ano que vem, em vez de permitir o retorno do benefício a 400 reais, e corrigir a tabela do Imposto de Renda. O governo ainda não apresentou formalmente as fontes de custeio desses programas.

Na revisão das projeções, a estimativa para o INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor), que é usado para corrigir o salário mínimo e outras despesas do governo, ficou em 6,54% para este ano, contra 7,41% antes. Em 2023, a estimativa foi mantida em 4,86%.

As previsões apresentadas nesta quinta serão usadas como base para os cálculos do relatório bimestral de receitas e despesas, a ser divulgado na próxima semana, que avalia o cumprimento da meta fiscal e do teto de gastos.

Uma atividade mais aquecida reflete nas contas do governo ao impulsionar a arrecadação tributária, gerando uma melhora do resultado primário. Os recordes registrados até o momento nas receitas federais vêm sendo usados como argumento pela equipe econômica para dar aval aos cortes tributários e ao pacote para turbinar benefícios sociais em ano eleitoral.

No documento, a secretaria ponderou que riscos globais externos devem ser monitorados, sobretudo a desaceleração do crescimento global e os impactos da guerra na Ucrânia.