Mercado abrirá em 7 h 25 min
  • BOVESPA

    106.419,53
    -2.295,02 (-2,11%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.206,59
    +372,79 (+0,72%)
     
  • PETROLEO CRU

    84,07
    -0,58 (-0,69%)
     
  • OURO

    1.790,80
    -2,60 (-0,14%)
     
  • BTC-USD

    61.335,84
    -1.050,01 (-1,68%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.491,78
    -13,37 (-0,89%)
     
  • S&P500

    4.574,79
    +8,31 (+0,18%)
     
  • DOW JONES

    35.756,88
    +15,73 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.277,62
    +54,80 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    25.642,01
    -396,26 (-1,52%)
     
  • NIKKEI

    28.946,34
    -159,67 (-0,55%)
     
  • NASDAQ

    15.538,00
    -7,00 (-0,05%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4582
    +0,0041 (+0,06%)
     

Governo melhora projeção para déficit primário em 2021 a R$139 bi

·2 minuto de leitura

Por Marcela Ayres

BRASÍLIA (Reuters) – O Ministério da Economia melhorou nesta quarta-feira sua projeção de déficit primário para o governo central em 2021 a 139,4 bilhões de reais, diante da perspectiva de maior arrecadação e recebimento de royalties e dividendos, conforme relatório bimestral de receitas e despesas.

A pasta também previu que a dívida bruta fechará o ano em 81,2% do PIB, ante 88,8% em 2020, caindo a 79,8% do PIB em 2022.

Segundo o secretário especial do Tesouro e Orçamento, Bruno Funchal, a trajetória para a dívida bruta ressalta a importância do teto de gastos como âncora fiscal já que, com as despesas sob controle, o aumento das receitas é revertido em melhor resultado primário.

“O gasto foi elevado no ano passado, 26% do PIB, mas este ano já com todas as estimativas mais recentes a gente volta para a normalidade, inclusive gastando menos do que foi gasto no último ano de mandato do governo anterior”, afirmou.

O relatório anterior, de julho, apontava déficit primário de 155,4 bilhões de reais para este ano, correspondente a 1,8% do PIB. Agora, o rombo é estimado em 1,6% do PIB.

De um lado, o governo aumentou a projeção de receitas líquidas em 31,5 bilhões de reais, a 1,508 trilhão de reais.

Contribuiu nesse sentido o crescimento de 19,5 bilhões de reais visto para receitas não administradas pela Receita Federal, sensibilizadas sobretudo pelo aumento esperado no recebimento de dividendos (+7,9 bilhões de reais) e com a exploração de recursos naturais (+7,7 bilhões de reais), linha que é afetada principalmente por royalties de petróleo.

O governo também elevou a perspectiva para a arrecadação em 2021 com impostos (+9,6 bilhões de reais) e para o Regime Geral de Previdência Social (+10,2 bilhões de reais).

O cálculo para as despesas no ano também foi elevado no relatório, com alta de 15,5 bilhões de reais, a 1,647 trilhão de reais. Neste caso, o principal impacto veio do ajuste para cima de 9,1 bilhões de reais nas despesas com créditos extraordinários, a 134 bilhões de reais.

Segundo o relatório, a despesa primária como proporção do PIB fechará o ano em 19%, abaixo do patamar realizado em 2018 (19,3%).

“A tendência é de queda para 2022, quando, de acordo com o projeto de Lei Orçamentária Anual, poderá atingir 17,5% do PIB, percentual inferior ao observado em 2014 (18,1%). Essa tendência mostra a efetividade da principal âncora fiscal do país, o teto de gastos”, defendeu o Ministério da Economia.

This article was originally posted on FX Empire

More From FXEMPIRE:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos