Mercado abrirá em 8 h 59 min
  • BOVESPA

    99.605,54
    -1.411,42 (-1,40%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.001,31
    -244,55 (-0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    38,64
    -0,93 (-2,35%)
     
  • OURO

    1.907,90
    -4,00 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    13.818,16
    +63,40 (+0,46%)
     
  • CMC Crypto 200

    273,12
    +11,83 (+4,53%)
     
  • S&P500

    3.390,68
    -10,29 (-0,30%)
     
  • DOW JONES

    27.463,19
    -222,19 (-0,80%)
     
  • FTSE

    5.728,99
    -63,02 (-1,09%)
     
  • HANG SENG

    24.644,13
    -143,06 (-0,58%)
     
  • NIKKEI

    23.410,76
    -75,04 (-0,32%)
     
  • NASDAQ

    11.530,75
    -57,25 (-0,49%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7193
    -0,0039 (-0,06%)
     

Governo lança política de educação para estudantes com deficiência

Pedro Rafael Vilela - Repórter da Agência Brasil
·2 minutos de leitura

Para celebrar o Setembro Azul, mês que dá visibilidade à comunidade surda brasileira, o presidente da República, Jair Bolsonaro, assinou decreto que institui a Política Nacional de Educação Especial: Equitativa, Inclusiva e com Aprendizado ao Longo da Vida. A proposta dos ministérios da Educação e da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos amplia o atendimento educacional especializado aos estudantes com deficiência, transtorno globais do desenvolvimento e altas habilidades ou superdotação. Na solenidade realizada na tarde desta quarta-feira (30), no Palácio do Planalto, a primeira-dama, Michelle Bolsonaro, fez um pronunciamento na Língua Brasileira de Sinais (Libras), acompanhada de uma intérprete.

"Hoje, celebramos mais uma vitória, o lançamento da Política Nacional de Educação Especial Equitativa, Inclusiva e com Aprendizado ao Longo da Vida. A PNEE representa um passo significativo desse governo rumo a um país mais justo e com igualdade de oportunidades. A PNEE fortalece o direito de escolha da família. Temos o dever de oferecer aos cidadãos a opção de escolarização em escolas regulares, escolas especializadas ou escolas bilíngues de surdos. Nestas, a Língua Brasileira de Sinais é a primeira língua, a língua de instrução e comunicação, e o português, em sua modalidade escrita, a sua segunda língua", disse a primeira-dama.

A primeira-dama, Michelle Bolsonaro, faz um pronunciamento na Língua Brasileira de Sinais (Libras), acompanhada de uma intérprete, durante a cerimônia de lançamento da Política Nacional de Educação Especial e Homenagem ao Mês dos Surdos
A primeira-dama, Michelle Bolsonaro, faz um pronunciamento na Língua Brasileira de Sinais (Libras), acompanhada de uma intérprete, durante a cerimônia de lançamento da Política Nacional de Educação Especial e Homenagem ao Mês dos Surdos
A primeira-dama, Michelle Bolsonaro, faz um pronunciamento na Língua Brasileira de Sinais (Libras), acompanhada de uma intérprete, durante a cerimônia de lançamento da Política Nacional de Educação Especial e Homenagem ao Mês dos Surdos
A primeira-dama, Michelle Bolsonaro, faz um pronunciamento na Língua Brasileira de Sinais (Libras), acompanhada de uma intérprete, durante a cerimônia de lançamento da Política Nacional de Educação Especial e Homenagem ao Mês dos Surdos

A primeira-dama, Michelle Bolsonaro, fez um pronunciamento na Língua Brasileira de Sinais (Libras), acompanhada de uma intérprete.- Carolina Antunes/PR

A nova política tem o objetivo de incentivar que estados, Distrito Federal e municípios, em colaboração com a União, implantarem programas e ações que garantam o direito à educação e ao atendimento educacional especializado a esses alunos. A PNEE também prevê a flexibilização dos sistemas de ensino, com alternativas educacionais, além das escolas regulares inclusivas, como classes regulares, classes e escolas especializadas, classes e escolas bilíngues de surdos, segundo as demandas específicas dos estudantes.

"Um dos principais norteadores dessa política nacional é a valorização das singularidades e dos direitos dos estudantes e das famílias no processo de decisão sobre as alternativas mais adequadas para o atendimento educacional especializado", afirmou o ministro da Educação, Milton Ribeiro.

A adesão dos entes federados é voluntária. “Mesmo assim, acreditamos que essa política educacional de educação especial trará significativo benefício, não apenas na área educacional, mas também representará avanços nas áreas econômica, científica, artística, política e cultural. Estamos certos de que milhares de estudantes que fazem parte do público-alvo dessa política, se bem atendidos em suas demandas, poderão desenvolver suas potencialidades e tornar tudo o que são capazes de ser, para a sua própria realização, e para o bem da nação", acrescentou o ministro.