Mercado fechado
  • BOVESPA

    93.952,40
    -2.629,76 (-2,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    36.987,86
    +186,49 (+0,51%)
     
  • PETROLEO CRU

    35,72
    -0,45 (-1,24%)
     
  • OURO

    1.878,80
    +10,80 (+0,58%)
     
  • BTC-USD

    13.526,06
    +227,21 (+1,71%)
     
  • CMC Crypto 200

    264,19
    +0,56 (+0,21%)
     
  • S&P500

    3.269,96
    -40,15 (-1,21%)
     
  • DOW JONES

    26.501,60
    -157,51 (-0,59%)
     
  • FTSE

    5.577,27
    -4,48 (-0,08%)
     
  • HANG SENG

    24.107,42
    -479,18 (-1,95%)
     
  • NIKKEI

    22.977,13
    -354,81 (-1,52%)
     
  • NASDAQ

    11.089,00
    -253,75 (-2,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6872
    -0,0584 (-0,87%)
     

Governo Bolsonaro repassou R$7,5 milhões doados para testes de Covid-19 a programa de Michelle

·2 minutos de leitura
Foto: AP Photo/Eraldo Peres
Foto: AP Photo/Eraldo Peres

O governo de Jair Bolsonaro (sem partido) desviou R$ 7,5 milhões doados especificamente para a compra de testes rápidos da Covid-19 e repassou o montante ao programa Pátria Voluntária, liderado pela primeira-dama, Michelle Bolsonaro. A informação é da Folha de S. Paulo.

Segundo o jornal, no dia 23 de março, a Marfrig, um dos maiores frigoríficos do país, anunciou que doaria o valor milionário ao Ministério da Saúde para a compra de 100 mil testes rápidos. Naquele momento, o país passava pelo início da pandemia do novo coronavírus e encontrava dificuldade em testar a população, prática estimulada pela OMS (Organização Mundial da Saúde).

Leia também:

Em 20 de maio, a Casa Civil informou à Folha que o dinheiro seria usado com “fim específico de aquisição e aplicação de testes de Covid-19.

No início de julho, contudo, a gestão Bolsonaro realizou uma consulta sobre a possibilidade de utilizar a verba não mais para os testes, mas em outras ações de combate à pandemia. Os recursos acabaram então nos cofres do projeto Arrecadação Solidária, vinculado ao Pátria Voluntária.

O mesmo veículo denunciou que o programa liderado por Michelle Bolsonaro realizou repasses, sem edital de concorrência, a instituições missionárias evangélicas ligadas a Damares Alves, ministra da Mulher, Família e Direitos humanos.

De acordo com a folha, os R$7,5 milhões da Marfrig representam quase 70% da arrecadação do programa.

À época, o frigorífico anunciou a ajuda e citou o Ministério da Saúde. "Esperamos que nossa iniciativa seja seguida por outras companhias brasileiras", disse o presidente do conselho de administração da empresa, Marcos Molina.

De acordo com a Marfrig, a Casa Civil enviou um “comunicado oficial” com detalhes sobre o programa de voluntariado e informando que os valores doados seriam depositados numa conta da Fundação do Banco do Brasil, gestora dos recursos da Pátria, “com fim específico de aquisição e aplicação de testes de Covid-19".

Dias depois, a empresa doadora realizou a transferência do valor seguindo as orientações da Casa Civil, de acordo com a Folha.

Em julho, de acordo com a própria Marfrig, o destino do dinheiro transferido ao governo mudou. A empresa diz ter sido consultada sobre a possibilidade de destinar a verba para outras “ações de combate aos efeitos socioeconômicos da pandemia".

“Como a ação estava diretamente ligada à mitigação dos danos causados pela pandemia, a Marfrig concordou com a nova destinação dos recursos doados", conforme relatou à Folha.

Questionada pelo jornal, a Casa Civil ainda não se posicionou. O programa liderado por Michelle Bolsonaro, segundo a Folha, já utilizou R$ 9 milhões dos cofres públicos em publicidades pagos pela Secretaria de Comunicação Social da Presidência.

Criado por decreto de Bolsonaro, em julho de 2019, o Pátria Voluntária tem como objetivo fomentar a prática do voluntariado e estimular o crescimento do terceiro setor, arrecadando dinheiro de instituições privadas e repassando para organizações sociais.