Mercado abrirá em 47 mins

Governo irlandês compra impressora tão grande que sequer passava pela porta

Rafael Arbulu

O parlamento irlandês está passando por um vexame que vem lhe rendendo, além de uma conta bem grande a ser paga, embaraços e protestos dos contribuintes do país: tudo começou em agosto deste ano, quando o governo aprovou a compra de uma impressora de última geração da Komori, com 2,1 metros de altura por 1,9 metro de largura — dando-se conta, tardiamente, que o tamanho massivo do aparelho o impedia de passar pela porta ou caber no escritório desejado.

Como a devolução já não era mais possível, o governo decidiu alugar um depósito para armazenar a impressora, enquanto trabalhadores derrubavam paredes, ampliavam cômodos e instalavam reforços em aço a fim de, finalmente, colocar o aparelho em seu devido lugar. O problema é que como se trata de um prédio histórico, a reforma para fazer caber a geringonça ficou muito mais cara do que o normal.

Mas como desgraça pouca é bobagem, a comédia de erros continuou: depois de devidamente instalada, a impressora se mantém inoperante, agora porque funcionários do edifício recusam-se a trabalhar com ela, alegando que precisam de treinamento específico e um aumento de salário. Além disso, o departamento de TI está receoso de instalar essa impressora dentro da rede do parlamento irlandês e deixá-la acessível a todos.

Uma impressora Komori: parlamento irlandês gastou milhões e o aparelho sequer cabia no edifício (Imagem: Divulgação/Komori UK)

Enquanto isso, as contas não param de chegar: não bastasse o valor pago na impressora — € 808 mil (algo em torno de R$ 3,7 milhões) — as disputas internas e inoperância da máquina, mais a reforma de uma sala específica para ela, já custaram ao governo adicionais € 236 mil (pouco mais de R$ 1,1 milhão). Ou seja, o enrosco todo, até agora, já custou R$ 4,8 milhões aos cofres públicos. 

Segundo a imprensa local, todo esse fiasco incentivou o público e outros oficiais do governo a protestarem por maior transparência nos gastos feitos. Um relatório contábil foi prometido para o fim desta semana, mas isso não ajudou a dissuadir os protestos em si. Segundo o Irish Times (via Guardian), o governo irlandês tem fama de não conseguir entregar projetos dentro do prazo ou do orçamento previstos inicialmente: um hospital infantil proposto em 2014 tinha valor inicial de € 800 milhões, mas seu valor atualizado está próximo de € 2 bilhões. Além disso, um projeto para levar internet banda larga à zona rural, estimado em € 500 milhões, já ultrapassa € 3 bilhões.

Qualquer semelhança com um certo país que todos nós conhecemos é mera coincidência. Com a vantagem que, na Irlanda, eles podem resolver tudo com uma boa pint de Guinness. 

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: