Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.933,78
    -180,15 (-0,15%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.072,62
    -654,36 (-1,34%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,48
    +0,35 (+0,55%)
     
  • OURO

    1.771,20
    -9,00 (-0,51%)
     
  • BTC-USD

    56.332,27
    +210,79 (+0,38%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.278,47
    -20,49 (-1,58%)
     
  • S&P500

    4.163,26
    -22,21 (-0,53%)
     
  • DOW JONES

    34.077,63
    -123,04 (-0,36%)
     
  • FTSE

    7.000,08
    -19,45 (-0,28%)
     
  • HANG SENG

    29.106,15
    +136,44 (+0,47%)
     
  • NIKKEI

    29.685,37
    +2,00 (+0,01%)
     
  • NASDAQ

    13.894,00
    -135,50 (-0,97%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6750
    -0,0111 (-0,17%)
     

Governo indica secretário de Minas e Energia para o comando da Eletrobras

JULIO WIZIACK
·2 minuto de leitura

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O governo indicou o atual secretário de energia elétrica do Ministério de Minas e Energia, Rodrigo Limp Nascimento, para presidente da Eletrobras. Formado pela Universidade de Brasília, Limp é um dos técnicos mais respeitados em energia. Sua experiência foi acumulada ao longo de nove anos como técnico da Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Entre 2015 e 2018, serviu como consultor legislativo nas áreas de recursos minerais, hídricos e energéticos da Câmara dos Deputados. Deixou o Congresso para assumir a direção da Aneel, mandato que exerceu até março de 2020, quando assumiu a secretaria do ministério. Pessoas que participaram das discussões afirmam que a indicação foi do ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, que pretendia ter uma “solução caseira” para garantir o processo de capitalização da Eletrobras —que patina no Congresso desde a gestão do ex-presidente Michel Temer. Desde então, o governo já enviou duas propostas de venda do controle que caducaram diante da resistência dos parlamentares em abrir mão de uma estatal que ajuda a abrigar não somente cargos em redutos eleitorais como desenvolve projetos de cunho social nesses locais. “A indicação reafirma o compromisso do governo na continuidade das ações visando ao aumento da eficiência operacional e ao aprimoramento da estratégia de sustentabilidade da Eletrobras, observando que o processo de capitalização, em tramitação no Congresso Nacional, é essencial para a empresa se torne mais forte e competitiva, contribuindo para gerar emprego e renda à população brasileira, e proporcionando menores custos e melhores serviços aos consumidor es de energia elétrica”, disse o Ministério de Minas e Energia em nota. Limp vai dar prosseguimento à gestão de seu antecessor, Wilson Ferreira Junior, que deixou o comando da empresa diante da resistência do Congresso em aprovar a capitalização da estatal. Neste momento, o deputado Elmar Nascimento (DEM-BA), relator do processo, avisou ao governo que pretende modificar completamente o modelo de venda de controle. Em vez de capitalização (processo sem que a União vende ações para ter sua participação diluída), o deputado prefere que a estatal venda suas subsidiárias.