Mercado abrirá em 9 h 40 min

Governo anuncia compra 100 milhões de doses da CoronaVac e diz que incluirá todas no Plano Nacional de Imunização

João Conrado Kneipp
·2 minuto de leitura
Brazilian Health Minister Eduardo Pazuello delivers a speech during the launch of the  national vaccination plan against the novel coronavirus Covid-19 at Planalto Palace in Brasilia, on December 16, 2020. - The government has not released a date for the start of the vaccination but commits to start the process 5 days after the approval of a vaccine by the health agency (ANVISA) and expects to take 12 to 16 months to vaccinate the entire Brazilian population. (Photo by EVARISTO SA / AFP) (Photo by EVARISTO SA/AFP via Getty Images)
Pazuello também afirmou que o Brasil negocia a compra de 100 milhões da CoronaVac. (Foto: EVARISTO SA/AFP via Getty Images)

O ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello, anunciou em coletiva de imprensa nesta quinta-feira (7) que todas as doses disponíveis da CoronaVac produzidas pelo Instituto Butantan serão incorporadas ao PNI (Plano Nacional de Imunização) contra a Covid-19.

Pazuello também afirmou que o Brasil assinou a compra de 100 milhões de doses da CoronaVac — 46 milhões até abril e outras 54 milhões de doses até o fim do ano. De acordo com Pazuello, o valor da dose é de pouco mais de US$ 10.

Momentos depois do anúncio, o Butantan divulgou uma nota alertando que, apesar da negociação, o acordo ainda não foi assinado.

O ministro destacou ainda que o governo de Jair Bolsonaro (sem partido) está negociando a compra de doses da Sputnik V, desenvolvida pela Rússia.

A inclusão da vacina desenvolvida pelo governo paulista dentro das vacinas previstas no PNI já havia sido adiantada na quarta, quando Pazuello afirmou que o Brasil está preparado e tem seringas suficientes para iniciar a vacinação contra a Covid-19 ainda em janeiro.

Leia também

Nesta quinta, foi anunciado que a eficácia da CoronaVac contra o novo coronavírus é de 78% nos testes conduzidos no Brasil. Os estudos clínicos da vacina encabeçada pelo governo paulista foram apresentados à Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) em reunião com membros do Butantan.

Após o encontro, o Butantan oficializou o pedido para registro emergencial do imunizante. O instituto espera que o rito para pedido de uso seja concretizado entre hoje e amanhã, em novas reuniões já agendadas com o órgão.

A CoronaVac é a aposta do governador no combate à Covid-19 e trunfo político contra seu rival Jair Bolsonaro. A vacina do Instituto Butantan ganhou projeção ao entrar no centro de uma guerra política entre o presidente e o governador, prováveis adversários nas eleições presidenciais de 2022.

No fim de 2020, Bolsonaro esvaziou o plano de aquisição futura da Coronavac feito em outubro por Pazuello, criticou o governador João Doria e disse que a vacina não era confiável por causa de sua origem.