Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.880,82
    +1.174,91 (+0,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.219,26
    +389,95 (+0,80%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,51
    +1,69 (+2,65%)
     
  • OURO

    1.844,00
    +20,00 (+1,10%)
     
  • BTC-USD

    49.060,35
    -1.561,63 (-3,08%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,33
    +39,77 (+2,93%)
     
  • S&P500

    4.173,85
    +61,35 (+1,49%)
     
  • DOW JONES

    34.382,13
    +360,68 (+1,06%)
     
  • FTSE

    7.043,61
    +80,28 (+1,15%)
     
  • HANG SENG

    28.027,57
    +308,90 (+1,11%)
     
  • NIKKEI

    28.084,47
    +636,46 (+2,32%)
     
  • NASDAQ

    13.398,00
    +297,75 (+2,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4040
    -0,0085 (-0,13%)
     

Governo inclui Correios em projeto de privatização; entenda

Extra
·2 minuto de leitura

O Governo Federal publicou no Diário Oficial da União desta quarta-feira (dia 14) o Decreto nº 10.674, que inclui a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT) no Programa Nacional de Desestatização (PND). A medida abre caminho para a privatização da estatal.

Segundo o Ministério da Economia, está em estudo ainda o modelo de privatização da empresa que deverá ser concluído em agosto. A próxima fase do processo será estabelecer um cronograma para implamentação do novo modelo, que dependerá da aprovação do Projeto de Lei nº 591/21 no Congresso Nacional.

O processo de privatização inclui, ainda, a análise pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e a participação da sociedade e do mercado por meio de audiências públicas. Por fim, os estudos e o edital serão remetidos para o Tribunal de Contas da União (TCU) para avaliação. Após a aprovação pelo órgão de controle, o edital para a realização da venda da empresa poderá ser publicado. A expectativa é que o processo ocorra somente em 2022.

Tramitação no Congresso

O presidente Jair Bolsonaro entregou ao Congresso, ainda em fevereiro, um projeto de lei para privatizar os Correios. O texto não apresenta um modelo claro de privatização, que ainda é tema de estudo dentro do governo. O próprio governo acredita que o projeto só deva ser votado no fim do ano. Por isso, a privatização deve ficar para 2022.

A venda da estatal depende da regulamentação de um trecho da Constituição. Com exceção de subsidiárias, a desestatização de empresas públicas precisa de autorização dos parlamentares para avançar.

Na ocasião, em comunicado, a Associação dos Profissionais dos Correios (Adcap), que se opõe à privatização, reagiu dizendo que "causa estranheza o governo apresentar ao Congresso Nacional um projeto antes mesmo de se ter a conclusão dos estudos em curso no BNDES, que, conforme noticiado antes, poderiam apontar até mesmo que os Corrreios deveriam permanecer como estão".

A entidade também afirma que é "motivo de preocupação" o fato de a sociedade não ter tido oportunidade de discutir previamente o tema, dada a falta de estudos sobre os resultados que poderiam ser colhidos. A Adcap afirma ainda que há poucos serviços postais privatizados no mundo, o que seria um sinal de que a medida não seria positiva em relação ao custo para a população, por exemplo.