Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.035,17
    -2.221,19 (-1,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.592,91
    +282,64 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,66
    -1,87 (-2,94%)
     
  • OURO

    1.733,00
    -42,40 (-2,39%)
     
  • BTC-USD

    45.221,34
    -2.489,18 (-5,22%)
     
  • CMC Crypto 200

    912,88
    -20,25 (-2,17%)
     
  • S&P500

    3.811,15
    -18,19 (-0,48%)
     
  • DOW JONES

    30.932,37
    -469,64 (-1,50%)
     
  • FTSE

    6.483,43
    -168,53 (-2,53%)
     
  • HANG SENG

    28.980,21
    -1.093,96 (-3,64%)
     
  • NIKKEI

    28.966,01
    -1.202,26 (-3,99%)
     
  • NASDAQ

    12.905,75
    +74,00 (+0,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7583
    +0,0194 (+0,29%)
     

Governo gasta R$ 4,2 mil por médico enviado a Manaus para disseminar cloroquina

Redação Notícias
·1 minuto de leitura
Brazil's Health Minister Eduardo Pazuello walks after a news conference, amid the coronavirus disease (COVID-19) outbreak, in Manaus, Amazonas state, Brazil, January 26, 2021. Picture taken January 26, 2021. REUTERS/Bruno Kelly
A força-tarefa agiu em Manaus no dia 11 de janeiro, um dia após a crise da falta de oxigênio. (Foto: REUTERS/Bruno Kelly)

O Ministério da Saúde gastou, em média, R$ 4,2 mil com cada um dos médicos enviados a Manaus para fiscalizar das UBSs e incentivar o uso de remédios sem eficácia comprovada contra Covid-19, como a cloroquina.

No valor, estão gastos com passagens aéreas e diárias. De acordo com os dados disponíveis no no Painel de Viagens, do Ministério da Economia, os bilhetes de avião custaram entre R$ 2.783 e R$ 4.535, e cada um dos médicos recebeu diária de R$ 655.

As informações foram publicadas na coluna Painel, do jornal Folha de São Paulo.

Leia também

A força-tarefa com os profissionais agiu em Manaus no dia 11 de janeiro — um dia após o governador Wilson Lima (PSC) pedir ajuda ao governo federal pela crise da falta de oxigênio — a convite de Mayra Pinheiro, secretária indicada pelo ministro Eduardo Pazuello e conhecida como “Capitã Cloroquina”.

É a assinatura de Mayra que consta no ofício encaminhado a Manaus em que afirma que era “inadmissível” a não utilização do “tratamento precoce”. Também partiu dela a iniciativa do TrateCov, página na internet que orienta a administração de cloroquina e antibióticos até para dor de barriga de bebê ou sintomas de ressaca.

As medidas pró-medicamentos sem eficácia no Amazonas são um dos pontos da investigação autorizada pelo STF (Supremo Tribunal Federal) contra o ministro.