Mercado fechado

Governo francês quer aumentar interesse por smartphones usados

Helene Fouquet
·2 minutos de leitura

(Bloomberg) -- A França está preparando incentivos para que os consumidores mudem seus hábitos de consumo para eletrônicos usados, em uma tentativa de reduzir o impacto sobre o meio ambiente e impulsionar as startups locais de comércio eletrônico.

O governo disse que vai implantar um sistema de pontuação na reutilização de dispositivos a partir de janeiro, e reservará 21 milhões de euros (US$ 25 milhões) de seu plano de estímulo para financiar startups e projetos de reutilização.

A ministra do Meio Ambiente, Barbara Pompili, e seu colega de Assuntos Digitais, Cedric O, disseram à Bloomberg que o governo está em negociações para aumentar as compras de segunda mão, mas não detalhou os planos que ainda estão sendo finalizados. O disse que uma nova forma de imposto sobre produtos é improvável porque as empresas transfeririam o custo para os consumidores.

“Queremos incentivar as pessoas que desejam comprar um aparelho a pensar primeiro nos reformados”, disse Pompili.

A venda de aparelhos recondicionados é um negócio antigo. Tanto a Apple quanto a Samsung oferecem telefones de segunda mão em seus sites, e o mercado global de smartphones usados deve atingir 332,9 milhões de unidades com valor total de US$ 67 bilhões, ante 175,8 milhões de unidades vendidas em 2018, de acordo com o IDC.

Mas na França, várias startups têm feito lobby para que o governo comece a introduzir uma legislação que incentive os consumidores a abandonar os novos celulares.

“Estamos pressionando o governo para reduzir o IVA sobre produtos com bom impacto ambiental, incluindo smartphones recondicionados”, disse o co-fundador da Recommerce, Benoit Varin, à Bloomberg. Em 16 de outubro, ele realizará um webinar com legisladores para mostrar como isso pode ser feito.

A Recommerce, fundada em 2009, recondiciona telefones celulares e os vende diretamente aos consumidores ou por meio de operadoras de telecomunicações, e tem o suporte da família Mulliez, gigante do varejo. A startup rival Back Market arrecadou 120 milhões de euros em maio com investidores como Goldman Sachs e o bilionário de luxo Bernard Arnault para seu mercado que vende aparelhos e bens de consumo da Sony, Apple, Samsung e Microsoft.

A Back Market, que foi criada há seis anos e pretende se expandir para os Estados Unidos, tem feito lobby junto ao governo para criar incentivos ao consumidor para produtos eletrônicos de segunda mão. Ministros franceses visitaram recentemente seus escritórios para reforçar seu apoio à startup e ao setor, onde Pompili e O criticaram as gigantes americanas por “buscarem manter um circuito fechado” com peças de reposição e sistemas de reparo exclusivos.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.