Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.541,95
    -1.079,62 (-1,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.524,45
    -537,16 (-1,12%)
     
  • PETROLEO CRU

    106,09
    +0,33 (+0,31%)
     
  • OURO

    1.805,60
    -1,70 (-0,09%)
     
  • BTC-USD

    20.301,50
    +298,53 (+1,49%)
     
  • CMC Crypto 200

    434,54
    +3,08 (+0,71%)
     
  • S&P500

    3.785,38
    -33,45 (-0,88%)
     
  • DOW JONES

    30.775,43
    -253,88 (-0,82%)
     
  • FTSE

    7.169,28
    -143,04 (-1,96%)
     
  • HANG SENG

    21.859,79
    -137,10 (-0,62%)
     
  • NIKKEI

    26.274,83
    -118,21 (-0,45%)
     
  • NASDAQ

    11.491,50
    -38,00 (-0,33%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4973
    -0,0083 (-0,15%)
     

Governo fixa meta de inflação em 3% para 2025 e mantém alvos para 2002-2024

Preços de combustível exibidos em posto de gasolina no Rio de Janeiro

Por Bernardo Caram

BRASÍLIA (Reuters) - O Conselho Monetário Nacional (CMN) fixou nesta quinta-feira a meta de inflação medida pelo IPCA para 2025 em 3,00%, com margem de tolerância de 1,50 ponto percentual para mais ou para menos, interrompendo uma sequência sucessiva de cortes no alvo a ser perseguido pelo Banco Central em sua política monetária.

O CMN também confirmou a manutenção das metas de 3,50% para 2022, 3,25% para 2023 e 3,00% para 2024, mesmo com a projeção da inflação para este ano indicando que o dado efetivo vai ficar bem longe do objetivo.

"O CMN avalia que a fixação da meta de inflação em 2025 em 3,00% reduz incertezas e aumenta a capacidade de planejamento das famílias, das empresas e do governo, estimulando o investimento, a produção e elevando o bem-estar da sociedade brasileira", afirmou o Ministério da Economia em nota, acrescentando que as expectativas para 2025 estão ancoradas e que a consolidação fiscal contribuirá para o cumprimento da meta.

O colegiado é presidido pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, e composto também pelo presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, e pelo secretário especial de Tesouro e Orçamento do Ministério da Economia, Esteves Colnago.

Nos últimos anos, o Conselho Monetário implementou uma gradual redução da meta de inflação. O alvo partiu de 4,5% em 2018, caindo anualmente 0,25 ponto percentual até chegar em 3% em 2024, alvo repetido agora para 2025.

Com choques provocados pela pandemia de Covid-19 e mais recentemente a guerra na Ucrânia, a inflação saiu das rédeas do Banco Central.

O índice fechou 2021 em 10,06%, bem acima do teto de 5,25%, e o estouro deve se repetir neste ano, quando as mais recentes projeções do BC apontam para um IPCA de 8,8%. Mesmo para 2023, a autoridade monetária já sinaliza que tentará levar a inflação a um patamar em torno da meta, não exatamente em cima do alvo. Sua projeção para o ano que vem está em 4%.

No passado, já aconteceu de o CMN ajustar a meta de inflação em face de choques muito expressivos. Isso aconteceu em 2003 e 2004.

Campos Neto, no entanto, já tinha se mostrado contrário a esse caminho. Em março, ele afirmou que uma mudança na meta de inflação para acomodar pressões geradas pelos choques recentes na economia teria "pouco a ganhar" em termos de credibilidade. Ele voltou a fazer a mesma avaliação em entrevista nesta quinta-feira.

A política monetária do BC está atualmente focada na inflação de 2023. Campos Neto afirmou nesta quinta que, a partir de agosto, 2024 também entrará no chamado horizonte relevante do BC.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos