Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.912,50
    +1.842,81 (+1,75%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.600,15
    +2,86 (+0,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    69,60
    +3,34 (+5,04%)
     
  • OURO

    1.779,70
    -4,20 (-0,24%)
     
  • BTC-USD

    49.187,08
    +199,00 (+0,41%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.272,65
    +12,49 (+0,99%)
     
  • S&P500

    4.593,22
    +54,79 (+1,21%)
     
  • DOW JONES

    35.235,04
    +654,96 (+1,89%)
     
  • FTSE

    7.232,28
    +109,96 (+1,54%)
     
  • HANG SENG

    23.349,38
    -417,31 (-1,76%)
     
  • NIKKEI

    27.927,37
    -102,20 (-0,36%)
     
  • NASDAQ

    15.844,50
    +126,75 (+0,81%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4136
    +0,0183 (+0,29%)
     

Governo federal cria autarquia para fiscalizar instalações nucleares

·1 min de leitura

O presidente Jair Bolsonaro sancionou a lei que cria a Autoridade Nacional de Segurança Nuclear (ANSN), autarquia federal que tem como finalidade monitorar, regular e fiscalizar as instalações nucleares no Brasil.

A criação do órgão, discutida há décadas, é um passo para o governo propor o fim do monopólio da União na exploração de urânio, segundo entrevista do ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque ao EXTRA.

O novo órgão foi criado em maio, por meio de uma medida provisória (MP) editada por Bolsonaro. O texto, no entanto, tinha validade temporária e precisava ser aprovado pela Câmara e pelo Senado, o que ocorreu em setembro.

A autarquia federal tem origem no desmembramento da Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN), vinculada ao Ministério de Ciência e Tecnologia, que segue com trabalhos de pesquisa e desenvolvimento do setor. O novo órgão passa a ser vinculado ao Ministério de Minas e Energia.

De acordo com o governo federal, não haverá aumento de despesa, porque as duas autarquias irão usar orçamento, estrutura e pessoal atualmente previstos para a CNEN. A ANSN também terá sede no Rio de Janeiro.

O órgão terá uma diretoria colegiada, formada por um diretor-presidente e dois diretores, que serão indicados pelo presidente da República e terão que ser aprovados pelo Senado.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos