Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.880,82
    +1.174,82 (+0,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.219,26
    +389,96 (+0,80%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,25
    -0,12 (-0,18%)
     
  • OURO

    1.844,10
    +6,00 (+0,33%)
     
  • BTC-USD

    45.186,86
    -2.413,95 (-5,07%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.247,89
    -110,67 (-8,15%)
     
  • S&P500

    4.173,85
    +61,35 (+1,49%)
     
  • DOW JONES

    34.382,13
    +360,73 (+1,06%)
     
  • FTSE

    7.043,61
    +80,28 (+1,15%)
     
  • HANG SENG

    28.027,57
    +308,87 (+1,11%)
     
  • NIKKEI

    27.956,56
    -127,91 (-0,46%)
     
  • NASDAQ

    13.356,25
    -30,75 (-0,23%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4042
    +0,0002 (+0,00%)
     

Governo celebra política de drogas focada em comunidades terapêuticas

Agência Brasil
·1 minuto de leitura

O Ministério da Cidadania promoveu hoje (14), em Brasília, uma cerimônia em comemoração à Nova Política Nacional sobre Drogas, criada por decreto em abril de 2019 e executada pela pasta. Um dos focos principais é a promoção de comunidades terapêuticas para a recuperação de usuários.

Segundo o ministro da Cidadania, João Roma, no momento o governo apoia financeiramente 485 comunidades do tipo e trabalha para habilitar outras 492, este ano. A meta, anunciada no mês passado pela pasta, é assegurar um orçamento de R$ 330 milhões para manter as comunidades.

Em seu pronunciamento, Roma afirmou que políticas de governos anteriores, voltadas para a redução de danos, foram "equivocadas", e que agora o governo segue " diretrizes que promovem abstinência". Ele classificou o apoio financeiro às comunidades terapêuticas como uma “política determinante para a sociedade”. Afirmou que mais de 55 mil dependentes químicos passaram por esses estabelecimentos nos últimos dois anos.

Administradas por terceiros, muitas vezes as comunidades são mantidas por congregações religiosas, aspecto exaltado pela ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves, também presente ao evento. “Me mostrem uma terapia melhor do que as comunidades terapêuticas que usam a espiritualidade no processo de recuperação”, questionou ela.

A ministra aproveitou a ocasião para afirmar ser contra discussões no Congresso Nacional sobre eventual legalização de drogas hoje consideradas ilícitas. “A gente vai se levantar nessa nação contra essa barbaridade de querer legalizar a maconha”, afirmou.

Matéria atualizada às 13h35