Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.035,17
    -2.221,19 (-1,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.592,91
    +282,64 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,66
    -1,87 (-2,94%)
     
  • OURO

    1.733,00
    -42,40 (-2,39%)
     
  • BTC-USD

    44.848,46
    -2.508,11 (-5,30%)
     
  • CMC Crypto 200

    912,88
    -20,25 (-2,17%)
     
  • S&P500

    3.811,15
    -18,19 (-0,48%)
     
  • DOW JONES

    30.932,37
    -469,64 (-1,50%)
     
  • FTSE

    6.483,43
    -168,53 (-2,53%)
     
  • HANG SENG

    28.980,21
    -1.093,96 (-3,64%)
     
  • NIKKEI

    28.966,01
    -1.202,26 (-3,99%)
     
  • NASDAQ

    12.905,75
    +74,00 (+0,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7583
    +0,0194 (+0,29%)
     

Governo estuda reedição de medidas de proteção ao emprego, diz Bianco

Isabel Versiani
·1 minuto de leitura
Fachada do prédio do Ministério da Economia

Por Isabel Versiani

BRASÍLIA (Reuters) - O governo estuda a possibilidade de reeditar medidas de proteção ao emprego formal adotadas em 2020 para preservar vagas em meio à pandemia, disse nesta quinta-feira o secretário especial de Previdência e Trabalho, Bruno Bianco.

Em entrevista para comentar os dados do Caged (cadastro de empregos formais) do ano, Bianco foi questionado se o governo reeditaria um programa nos moldes do BEM, que permitu que as empresas suspendessem contratos ou reduzissem jornadas e salários temporariamente em 2020.

"Estamos avaliando, em conjunto com a evolução dos acontecimentos, se devemos ou não lançar mão de mais medidas relativas a momentos de crise", disse Bianco.

"Isso sempre esteve na prancheta, em momento algum nós deixamos de lado esse pensamento, mas obviamente isso demanda uma análise das circunstâncias e também demanda uma análise política, que nós estamos fazendo junto com nosso ministro e também junto com o presidente da República."

O secretário descartou a possibilidade de haver uma "ressaca" de demissões neste ano. Ele ressaltou que os efeitos mais graves da crise sobre o mercado de trabalho já passaram, que o país já está mais próximo "de uma normalidade" e que o governo está disposto a agir se necessário.

"Não deixaremos o desemprego aumentar e continuaremos com as mãos nas rédeas para que, dentro do possível, possamos cada vez aumentar as contratações, reduzir as demissões e fazer com que os Cageds sejam mês a mês cada vez melhores."