Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.035,17
    -2.221,19 (-1,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.592,91
    +282,64 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,66
    -1,87 (-2,94%)
     
  • OURO

    1.733,00
    -42,40 (-2,39%)
     
  • BTC-USD

    44.606,69
    -2.792,18 (-5,89%)
     
  • CMC Crypto 200

    912,88
    -20,25 (-2,17%)
     
  • S&P500

    3.811,15
    -18,19 (-0,48%)
     
  • DOW JONES

    30.932,37
    -469,64 (-1,50%)
     
  • FTSE

    6.483,43
    -168,53 (-2,53%)
     
  • HANG SENG

    28.980,21
    -1.093,96 (-3,64%)
     
  • NIKKEI

    28.966,01
    -1.202,26 (-3,99%)
     
  • NASDAQ

    12.905,75
    +74,00 (+0,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7583
    +0,0194 (+0,29%)
     

Governo estuda pagamento de novo auxílio de R$200 por 3 meses, diz fonte

·1 minuto de leitura
Pessoas fazem fila em agência da Caixa no Rio de Janeiro para receber pagamento do auxílio emergencial

(Reuters) - O governo estuda a possibilidade de conceder um benefício de 200 reais por três meses aos brasileiros vulneráveis que não recebem o Bolsa Família e tenham perdido o direito ao auxílio emergencial que, criado como medida de enfrentamento à crise da pandemia, deixou de existir no final do ano.

Segundo uma fonte do governo envolvida diretamente na discussão, a equipe econômica está buscando uma forma de custear a empreitada sem furar a regra do teto de gastos, que limita o crescimento das despesas totais à variação da inflação.

O auxílio emergencial contemplou 64 milhões de brasileiros com pagamentos mensais de 600 reais a partir de julho, ao custo de 293 bilhões de reais em 2020.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse na semana passada que cerca de metade desse contingente segue protegida pelo Estado por meio do Bolsa Família, e que, diante da continuidade da pandemia, o desafio é manter o atendimento aos chamados "invisíveis" --famílias de baixa renda fora dos programas sociais.

O novo auxílio, ainda em estudo, está sendo chamado internamente de Benefício de Inclusão Produtiva.

As despesas do governo com medidas de enfrentamento da pandemia da Covid-19 somaram um total de 524 bilhões de reais em 2020, segundo o Tesouro. No ano, o setor público estava desobrigado pelo Congresso de cumprir uma meta de resultado primário e os gastos com a crise também ficaram de fora da regra do teto de gastos. Este ano, as limitações fiscais voltaram a vigorar.

(Por Rodrigo Viga Gaier)