Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.667,66
    +293,79 (+0,28%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.232,20
    -741,07 (-1,37%)
     
  • PETROLEO CRU

    86,33
    +2,51 (+2,99%)
     
  • OURO

    1.813,20
    -3,30 (-0,18%)
     
  • BTC-USD

    42.381,84
    +605,86 (+1,45%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.009,04
    -0,34 (-0,03%)
     
  • S&P500

    4.577,11
    -85,74 (-1,84%)
     
  • DOW JONES

    35.368,47
    -543,34 (-1,51%)
     
  • FTSE

    7.563,55
    -47,68 (-0,63%)
     
  • HANG SENG

    24.112,78
    -105,25 (-0,43%)
     
  • NIKKEI

    28.257,25
    -76,27 (-0,27%)
     
  • NASDAQ

    15.227,50
    -368,25 (-2,36%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3043
    +0,0105 (+0,17%)
     

Governo estuda criar vale transporte para vulneráveis em ano eleitoral

·1 min de leitura

Depois de encampar a proposta do Congresso que cria o vale gás para as famílias de baixa renda, o governo discute a criação de um voucher para aliviar o custo do transporte público para os trabalhadores mais vulneráveis, em pleno ano eleitoral.

A ideia, antecipada pela Bloomberg, está sendo gestada pelo Ministério de Minas e Energia (MME) e tem por objetivo minimizar o efeito da alta nos preços dos combustíveis na inflação.

A pasta defende que o governo aproveite o aumento da arrecadação de impostos para financiar essas medidas, ainda que seja de forma temporária.

O público alvo gira em torno de 16 milhões de famílias vulneráveis, de acordo com integrantes do MME, que, contudo, indicam que os estudos ainda estão incipientes.

O Ministério informa que o governo recebeu R$ 210 bilhões nos últimos três anos com royalties e participações especiais do petróleo, valor que poderá subir com a realização de novos leilões no setor.

Apesar dos recursos, a ampliação do pacote de bondades, esbarra no teto gasto público, que limita o crescimento das despesas à inflação. O governo procurou expandir essa trava com a aprovação da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) que adia o pagamento de precatórios, decisões finais da Justiça contra a União.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos