Mercado abrirá em 5 h 3 min
  • BOVESPA

    122.937,87
    +1.057,05 (+0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.371,98
    +152,72 (+0,31%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,87
    +0,60 (+0,91%)
     
  • OURO

    1.869,60
    +2,00 (+0,11%)
     
  • BTC-USD

    45.136,73
    +165,97 (+0,37%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.253,45
    +55,54 (+4,64%)
     
  • S&P500

    4.163,29
    -10,56 (-0,25%)
     
  • DOW JONES

    34.327,79
    -54,34 (-0,16%)
     
  • FTSE

    7.074,46
    +41,61 (+0,59%)
     
  • HANG SENG

    28.567,07
    +372,98 (+1,32%)
     
  • NIKKEI

    28.406,84
    +582,01 (+2,09%)
     
  • NASDAQ

    13.421,25
    +117,75 (+0,89%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4277
    +0,0178 (+0,28%)
     

Governo estuda "bônus de inclusão produtiva" para formalizar trabalhadores

·1 minuto de leitura
Ministro da Economia, Paulo Guedes

BRASÍLIA (Reuters) - O governo elabora uma proteção a trabalhadores informais que está sendo denominada de bônus de inclusão produtiva, disse nesta quarta-feira o ministro da Economia, Paulo Guedes, sem dar detalhes.

"Vem mais programas por aí, vem o bônus de inclusão produtiva, Bips como nós estamos chamando", disse Guedes em declarações a jornalistas. "Porque, como o presidente disse, não é só o problema do mercado formal de trabalho, que nós já estamos a níveis acima da pré-pandemia."

Questionado mais tarde em coletiva de imprensa, o secretário de Previdência e Trabalho, Bruno Bianco, disse que o programa visa estabelecer um novo contrato de trabalho, mirando principalmente os novos modelos de prestação de serviços que ganharam força com a pandemia da Covid-19.

"Estamos elaborando uma proteção específica para trabalhadores informais, em uma busca de maior formalização, uma busca de criação de um novo contrato de trabalho que eventualmente se adeque ao momento pós-pandemia e mesmo às novas formas de trabalho", disse Bianco.

Ele acrescentou que o programa está em formulação e ainda precisará ser submetido à aprovação de Guedes e do presidente Jair Bolsonaro.

(Por Isabel Versiani)