Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.441,03
    -635,14 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,13 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,78
    +0,49 (+0,70%)
     
  • OURO

    1.879,50
    -16,90 (-0,89%)
     
  • BTC-USD

    35.697,83
    -1.228,95 (-3,33%)
     
  • CMC Crypto 200

    924,19
    -17,62 (-1,87%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,36 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.134,06
    +45,88 (+0,65%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,25 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    28.948,73
    -9,83 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    13.992,75
    +33,00 (+0,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1926
    +0,0391 (+0,64%)
     

Governo eleva estimativas para crescimento e inflação em 2021

·3 minuto de leitura
Centro do Rio de Janeiro

Por Isabel Versiani

BRASÍLIA (Reuters) - O Ministério da Economia elevou sua projeção de crescimento do PIB este ano para 3,50% e também aumentou a estimativa de inflação para 5,05%, patamar ainda mais distante do centro da meta de 3,75% para o período, mostrou a mais nova edição do Boletim MacroFiscal divulgado pela Secretaria de Política Econômica nesta terça-feira.

O boletim anterior, de março, previa uma alta de 3,20% do PIB e de 4,42% do IPCA para 2021.

No novo documento, a SPE destacou que os resultados melhores para a atividade no começo deste ano e a expectativa de continuidade do processo de vacinação, com impacto positivo sobre o setor de serviços no segundo semestre, justificaram a revisão da projeção de crescimento.

Já no caso do IPCA, o boletim chamou atenção para a alta acumulada de 15,55% da inflação do grupo Alimentação no Domicílio nos 12 meses até abril.

O mercado estima crescimento de 3,21% do PIB este ano, com inflação de 5,15%, segundo a mediana das projeções levantadas pelo Banco Central em seu relatório Focus.

As projeções do governo para 2022 foram mantidas em crescimento de 2,50% do PIB e de 3,50% do IPCA. Para o período 2023-2025, a estimativa de crescimento anual de 2,5% também não foi alterada.

A meta de inflação para o ano que vem é de 3,50%. Tanto neste ano quanto no próximo, há uma margem de tolerância na meta de 1,5 ponto percentual para mais ou para menos.

"Apesar do valor (da estimativa para o IPCA) estar acima da meta de inflação de 3,75% para o ano de 2021, o mesmo encontra-se dentro do intervalo de tolerância", ponderou a SPE no boletim, acrescentando que as projeções convergem para o centro da meta a partir do próximo ano.

RISCOS

O boletim chamou a atenção para o impacto da vacinação sobre o crescimento. Levantamento feito pela secretaria com dados de 30 países sugere que cada aumento de 10 pontos percentuais das doses de vacina da Covid-19 aplicadas por 100 habitantes está associada a uma elevação de 0,13 ponto, em média, da projeção de crescimento.

"A vacinação em massa é imprescindível tanto para o crescimento econômico atual como para o crescimento futuro", disse a SPE", ressaltando o impacto favorável sobre produto, renda e expectativas.

Em apresentação à imprensa, o secretário de Política Econômica, Adolfo Sachsida, citou como desafios de curto prazo para a economia brasileira os riscos associados à pandemia, à questão hidrológica e ao cenário fiscal.

No caso do risco hidrológico, Sachsida disse que o problema não é apenas conjuntural, com as contas de energia já obedecendo aos parâmetros da bandeira vermelha, mas também conjuntural. Isso reforça, segundo ele, a importância de o país avançar na agenda de privatizações e de melhoria dos marcos legais.

"É uma agenda importante e tem que estar no nosso radar porque tem implicações sobre o crescimento econômico e sobre a inflação", afirmou.

No longo prazo, a preocupação maior, disse Sachsida, é evitar que os choques transitórios gerados pela pandemia da Covid-19 tenham efeitos permanentes na economia. Nesse sentido, ele defendeu que o caminho mais acertado é insistir na agenda de consolidação fiscal e de reformas pró-mercado.

"É graças à consolidação fiscal que você ancora expectativas, ancorando expectativas você mantém a trajetória de inflação sob controle", disse Sachsida, acrescentando que isso contém o risco país, com impacto positivo sobre o investimento e o emprego.

O secretário disse considerar a projeção de crescimento de 3,50% para este ano "conservadora" e rechaçou avaliações de que o país poderia estar vivendo um cenário de estagflação --estagnação econômica e inflação elevada.

"Não é possível falar em uma estagnação econômica em um país que está com taxas de crescimento anual acima de 3%", afirmou.