Mercado abrirá em 9 h 18 min
  • BOVESPA

    117.380,49
    -948,51 (-0,80%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.126,51
    +442,96 (+0,99%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,58
    -0,19 (-0,36%)
     
  • OURO

    1.858,70
    +3,50 (+0,19%)
     
  • BTC-USD

    32.445,46
    +77,17 (+0,24%)
     
  • CMC Crypto 200

    655,92
    -20,98 (-3,10%)
     
  • S&P500

    3.855,36
    +13,89 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    30.960,00
    -36,98 (-0,12%)
     
  • FTSE

    6.638,85
    -56,22 (-0,84%)
     
  • HANG SENG

    29.696,56
    -462,45 (-1,53%)
     
  • NIKKEI

    28.613,72
    -208,57 (-0,72%)
     
  • NASDAQ

    13.433,25
    -42,25 (-0,31%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7118
    +0,0756 (+1,14%)
     

Governo está à disposição do Congresso para ajustar meta fiscal de 2021 se necessário, diz secretário

·2 minuto de leitura
.

BRASÍLIA (Reuters) - O secretário de Orçamento, George Soares, disse nesta terça-feira que a equipe econômica está à disposição do Congresso para adotar uma meta fiscal "normal" para o Orçamento de 2021, caso essa seja a vontade dos parlamentares.

O projeto da Lei de Diretrizes Orçamentárias encaminhado pelo governo ao Congresso em abril, previu uma meta de déficit primário de 149,61 bilhões de reais para o governo central no próximo ano, mas, diante de todas as incertezas geradas pela crise da pandemia da Covid-19, foi estabelecido que esse alvo seria alterado sempre que as receitas para o período fossem recalculadas.

O Tribunal de Contas da União chegou a alertar que a ausência de uma meta fiscal fixa poderia contrariar a Lei de Responsabilidade Fiscal.

"À época de se fazer a LDO ... era simplesmente impossível fazer uma projeção correta do tamanho do primário necessário. Hoje já é uma coisa mais razoável", disse Soares nesta terça, em audiência pública de comissão mista do Congresso.

"Nós nos colocamos à disposição do relator da LDO para, se for de interesse do Congresso --porque agora isso realmente é uma decisão do Congresso, não é do Executivo-- fazer isso, voltando a uma meta normal", acrescentou o secretário.

Segundo Soares, se o projeto Orçamentário para o próximo ano tivesse sido formulado com base na meta fiscal prevista no projeto da LDO, o governo teria previsto zero de despesas discricionárias (sujeitas a corte).

O projeto da Lei Orçamentária Anual (PLOA), encaminhado no final de agosto e tendo como parâmetro uma queda do PIB de 4,7% este ano e um crescimento de 3,2% em 2021, aumentou o rombo primário para 233,6 bilhões de reais. A previsão de despesas discricionárias ficou em 96,053 bilhões de reais.

Tanto o projeto de LDO quanto da LOA do ano que vem ainda não começaram a ser apreciados no Congresso.