Mercado fechado
  • BOVESPA

    116.134,46
    +6.097,67 (+5,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.429,75
    +802,95 (+1,80%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,32
    -0,31 (-0,37%)
     
  • OURO

    1.707,70
    +5,70 (+0,33%)
     
  • BTC-USD

    19.572,95
    +369,26 (+1,92%)
     
  • CMC Crypto 200

    444,05
    +8,70 (+2,00%)
     
  • S&P500

    3.678,43
    +92,81 (+2,59%)
     
  • DOW JONES

    29.490,89
    +765,38 (+2,66%)
     
  • FTSE

    6.908,76
    +14,95 (+0,22%)
     
  • HANG SENG

    17.079,51
    -143,32 (-0,83%)
     
  • NIKKEI

    26.215,79
    +278,58 (+1,07%)
     
  • NASDAQ

    11.319,50
    +33,75 (+0,30%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,0747
    -0,2332 (-4,39%)
     

Governo elege rejeitados para o conselho de administração da Petrobras

***ARQUIVO***CABO FRIO, RJ, 26.09.2012 - Fachada da Petrobras, em Cabo Frio, no Rio de Janeiro. (Foto: Daniel Marenco/Folhapress)
***ARQUIVO***CABO FRIO, RJ, 26.09.2012 - Fachada da Petrobras, em Cabo Frio, no Rio de Janeiro. (Foto: Daniel Marenco/Folhapress)

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - O governo passou por cima das regras de governança da Petrobras e elegeu para o conselho de administração da estatal dois nomes rejeitados por comitê interno e pelo próprio colegiado por existência de conflito de interesses.

A eleição ocorreu em assembleia realizada nesta sexta-feira (19). Os nomes rejeitados pelo conselho foram Jônathas Assunção e Ricardo Soriano. O primeiro é o número dois do ministério da Casa Civil e o segundo, chefe da PGFN (Procuradoria Geral da Fazenda Nacional).

Os dois nem chegaram a aparecer na lista inicial de candidatos aprovada pelo conselho de administração no mês passado, tendo sido incluídos apenas no início da assembleia pelo representante da União, o procurador da Fazenda Nacional Ivo Cordeiro Pinho Timbó.

Ele defendeu que pareceres da AGU (Advocacia-Geral da União) e da Comissão de Ética da Presidência da República garantem que não há vedações legais às duas indicações. Dona da maior parte das ações com direito a voto, a União garantiu a eleição dos dois.

"Há brutal conflito de interesses entre as funções que exercem no governo federal e o cargo de conselheiro de administração da Petrobras", disse, durante a assembleia, o diretor da Aepet (Associação dos Engenheiros da Petrobras), Fernando Siqueira.

Ele argumentou que o ministério da Casa Civil contribui na formulação de políticas que afetam a Petrobras e que a PGFN é contraparte em ações fiscais bilionárias contra a estatal. "Isso configura uma intervenção espúria do governo na administração da Petrobras, contrariando a Lei das Estatais."

A assembleia elegeu representantes para oito das 11 vagas do conselho de administração da Petrobras. O governo indicou oito nomes, mas perdeu duas disputas para representantes do maior acionista individual da estatal, o Banco Clássico.

Essas vagas serão ocupadas pelo proprietário do banco, João José Abdalla Filho —também conhecido como Juca Abdalla— e pelo advogado Marcelo Gasparino, que costuma representar o banco em conselhos de administração.

Além de Assunção e Soriano, o governo elegeu Gileno Gurjão Barreto, que vai presidir o conselho, Edison Garcia, Iêda Cagni e o atual presidente da Petrobras, Caio Paes de Andrade.

A lista é formada em sua maioria por ocupantes de cargos públicos, em uma estratégia do governo para ter um conselho mais alinhado na estatal. É a primeira vez desde o governo Dilma Roussef, por exemplo, que um ocupante do Palácio do Planalto é eleito para o colegiado.

Para especialistas, a estratégia do governo fere a Lei das Estatais, que apertou as regras para indicações nas empresas controladas pelo governo para reduzir os riscos de intervenção política. A lei veda a indicação de agentes políticos e com eventuais conflitos de interesse.

"A lei foi feita exatamente para dar instrumentos tanto aos órgãos de governança internos quanto a todos os outros órgãos de fiscalização e controle para que tomem providências quando houver indícios de algum tipo de ilegalidade", avalia um dos responsáveis pela elaboração da lei, Sylvio Coelho.

A insistência em nomes rejeitados por órgãos internos de governança levou a Anapetro (Associação Nacional dos Petroleiros Acionistas Minoritários da Petrobras) a pedir a suspensão da assembleia na CVM (Comissão de Valores Mobiliários), mas o pedido foi negado.

"A CVM entendeu que o pedido da Anapetro foi intempestivo e que possuía vícios e carências formais", disse a estatal, em nota divulgada nesta quarta (17). A associação diz que vai pedir reconsideração do caso após a aprovação dos nomes.