Mercado fechará em 1 h 55 min
  • BOVESPA

    117.209,81
    +979,70 (+0,84%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.688,79
    -357,79 (-0,78%)
     
  • PETROLEO CRU

    87,77
    +1,25 (+1,44%)
     
  • OURO

    1.722,00
    -8,50 (-0,49%)
     
  • BTC-USD

    20.181,71
    +148,52 (+0,74%)
     
  • CMC Crypto 200

    457,21
    -1,20 (-0,26%)
     
  • S&P500

    3.775,97
    -14,96 (-0,39%)
     
  • DOW JONES

    30.238,89
    -77,43 (-0,26%)
     
  • FTSE

    7.052,62
    -33,84 (-0,48%)
     
  • HANG SENG

    18.087,97
    +1.008,46 (+5,90%)
     
  • NIKKEI

    27.120,53
    +128,32 (+0,48%)
     
  • NASDAQ

    11.590,00
    -50,75 (-0,44%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1367
    -0,0312 (-0,60%)
     

Governo edita MP que reduz tributação sobre viagens de brasileiros ao exterior

Aeroporto Internacional de Tocumén, na Cidade do Panamá

BRASÍLIA (Reuters) - O presidente Jair Bolsonaro (PL), que é candidato à reeleição, editou medida provisória para reduzir alíquotas de Imposto de Renda retido na fonte para pagamentos relacionados a viagens de brasileiros ao exterior, informou a Secretaria-Geral da Presidência da República nesta quarta-feira.

De acordo com o comunicado, a redução valerá para pagamentos feitos a pessoas físicas ou empresas instaladas no exterior destinados à cobertura de gastos pessoais de brasileiros que viajem ao exterior, até o limite de 20 mil reais ao mês.

A alíquota cairá de 25% para 6% em 2023 e 2024. Nos anos seguintes, haverá um crescimento escalonado da cobrança, passando para 7% em 2025, 8% em 2026 e 9% em 2027. O governo não informou a renúncia fiscal prevista.

Segundo a Secretaria-Geral, a medida vai gerar uma maior dinamização das atividades do setor de turismo, melhorando a competitividade das agências com sede no Brasil para que possam concorrer com as agências online sediadas no exterior.

“A medida institui benefício que permite a concorrência justa entre as empresas de turismo que atuam no setor de viagens, fortemente impactado pela pandemia, a fim de, com isso, evitar o fechamento de empresas com sede no país e também manter e gerar empregos”, disse a pasta em nota.

(Por Bernardo Caram)