Mercado abrirá em 7 h 39 min
  • BOVESPA

    109.101,99
    +1.088,52 (+1,01%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.508,35
    -314,88 (-0,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    86,29
    -0,61 (-0,70%)
     
  • OURO

    1.840,90
    -1,70 (-0,09%)
     
  • BTC-USD

    38.765,66
    -3.159,31 (-7,54%)
     
  • CMC Crypto 200

    914,68
    -80,58 (-8,10%)
     
  • S&P500

    4.482,73
    -50,03 (-1,10%)
     
  • DOW JONES

    34.715,39
    -313,26 (-0,89%)
     
  • FTSE

    7.585,01
    -4,65 (-0,06%)
     
  • HANG SENG

    24.766,26
    -186,09 (-0,75%)
     
  • NIKKEI

    27.341,07
    -431,86 (-1,55%)
     
  • NASDAQ

    14.661,50
    -179,50 (-1,21%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1369
    +0,0068 (+0,11%)
     

Governo edita MP para desburocratizar e digitalizar atendimento de cartórios

·2 min de leitura

BRASÍLIA (Reuters) - O presidente Jair Bolsonaro editou nesta terça-feira uma Medida Provisória para desburocratizar o sistema de cartórios no país, abrindo caminho para prestação de serviços relacionados a registros públicos por meio eletrônico.

O texto da medida também traz regras para simplificar o sistema de garantias sobre bens móveis no país.

A MP cria o Sistema Eletrônico de Registros Públicos (Serp), que fará a interconexão entre os cartórios e o atendimento remoto aos usuários. O mecanismo servirá para a recepção de documentos, expedição de certidões e coleta de informações de maneira digital.

O acesso ao novo sistema poderá ser feito com o sistema de assinatura do portal do governo federal, o gov.br, sem necessidade de certificação digital.

O prazo máximo para implementação do sistema é de pouco mais de um ano, até 31 de janeiro de 2023. A MP já está valendo, mas ainda depende de aprovação do Congresso.

A determinação de que os cartórios prestem serviços por meio eletrônico já existia em lei desde 2009, mas ainda dependia de regulamento específico. A partir da publicação da MP, a normatização do sistema caberá ao Conselho Nacional de Justiça.

A implementação do sistema será bancada por meio de um fundo com recursos privados dos próprios cartórios. Segundo o governo, não haverá cobrança adicional aos usuários.

Hoje, segundo o Ministério da Economia, há mais de 10 mil cartórios no país. Eles precisarão ser vinculados ao sistema eletrônico.

“Nós mantemos todo o sistema registral existente no país, nenhum cartório vai perder serviço ou deixar de fazer serviço”, ressaltou o subsecretário de política microeconômica da Secretaria de Política Econômica da pasta, Emmanuel de Abreu.

Segundo ele, a medida ainda se vincula ao pacote editado pelo governo em novembro para simplificar e reduzir custos do mercado de garantia.

O objetivo é facilitar a utilização de bens móveis, como veículos e maquinário, em garantia de operações de crédito.

Hoje, de acordo com o subsecretário, o registro da garantia é feito no local da residência do credor e do devedor. Para uma instituição verificar se há ônus relacionado a essa garantia, é necessário percorrer diversos cartórios do país --metade deles sequer tem site disponível na internet.

“A medida diz que você só precisa registrar em um cartório quando forem domicílios diferentes e que a consulta é nacional, basta consultar pelo CPF ou o CNPJ”, disse.

(Por Bernardo Caram)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos