Mercado fechado
  • BOVESPA

    115.202,23
    +2.512,23 (+2,23%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.342,54
    +338,34 (+0,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,28
    +0,19 (+0,29%)
     
  • OURO

    1.698,20
    -0,30 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    49.919,66
    +1.354,68 (+2,79%)
     
  • CMC Crypto 200

    982,93
    +39,75 (+4,21%)
     
  • S&P500

    3.841,94
    +73,47 (+1,95%)
     
  • DOW JONES

    31.496,30
    +572,20 (+1,85%)
     
  • FTSE

    6.630,52
    -20,36 (-0,31%)
     
  • HANG SENG

    29.098,29
    -138,51 (-0,47%)
     
  • NIKKEI

    28.864,32
    -65,78 (-0,23%)
     
  • NASDAQ

    12.652,50
    -11,25 (-0,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7780
    -0,0079 (-0,12%)
     

Governo economizou R$ 3 bilhões com home office em 2020, estima Tesouro

BERNARDO CARAM
·2 minuto de leitura

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O governo federal economizou aproximadamente R$ 3 bilhões em 2020 com o sistema de home office para servidores públicos implementado na pandemia do novo coronavírus. A estimativa é do secretário do Tesouro Nacional, Bruno Funchal. No Poder Executivo, pesquisas feitas pelo governo ao longo do ano passado apontam que 50% dos servidores chegaram a ser colocados em trabalho remoto. O número não inclui as instituições federais de ensino. A medida provocou uma redução de gastos com água, energia elétrica, copa e cozinha, passagens aéreas e diárias, telefonia e vigilância. O número consolidado do ano ainda está em elaboração e será divulgado pelo Ministério da Economia nas próximas semanas. A estimativa do secretário leva em conta os resultados do primeiro semestre do ano passado, que registrou uma redução de R$ 1,37 bilhão dos custos de funcionamento do Poder Executivo, exceto o Ministério da Saúde, que reforçou os trabalhos no enfrentamento da pandemia. Naquele período, houve redução de 42% nos gastos com diárias e passagens, em comparação com o primeiro semestre de 2019. A economia foi de 41% em serviços de copa e cozinha, 17% em telefonia e 11% em água, esgoto energia elétrica e gás. Os cálculos do Ministério da Saúde são feitos separadamente para não distorcerem os resultados. No primeiro semestre, a pasta ampliou em 76% as despesas com materiais de consumo, 41% o apoio administrativo e em 28% os serviços terceirizados. A redução de gastos administrativos libera espaço em uma conta que vem sendo cada vez mais comprimida no Orçamento: a de despesas discricionárias, aquelas consideradas não obrigatórias, que cobrem custeio e investimentos. Em 2020, o patamar das discricionárias ficou em R$ 108 bilhões. Neste ano, o Orçamento previa um espaço menor, que poderia colocar em risco o funcionamento da máquina pública. No entanto, o governo recalculou despesas de ministérios e da Previdência e observou que o gasto em 2020 foi menor do que o previsto inicialmente. Com isso, o espaço das discricionárias neste ano deve ser ampliado e ficar em patamar semelhante ao observado no ano passado. Os números finais ainda passam por revisão no Ministério da Economia. Mesmo com a abertura da margem, o governo argumenta que o Orçamento ainda é muito limitado. Há resistência, por exemplo, em pagar novas parcelas do auxílio emergencial ou criar um novo programa social sem cortar despesas em outras áreas.